Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

O impacto do Covid-19 nos escritórios? Teletrabalho “vai mudar o paradigma da procura de imóveis”

Para Pedro Salema Garção, Head of Agency da Worx, “esta tendência será adotada por algumas empresas ao perceberem que funciona”.

Pedro Salema Garção, Head of Agency da Worx / Worx
Pedro Salema Garção, Head of Agency da Worx / Worx
Autor: Redação

Os efeitos da pandemia do coronavírus fazem-se sentir em todo o setor imobiliário. E o segmento de escritórios não foge à regra. Mas o mercado – e as empresas – pode (e deve) aproveitar esta fase para descobrir oportunidades, revela Pedro Salema Garção, Head of Agency da Worx. Segundo o responsável, “o facto de grande parte da população estar a trabalhar remotamente vai mudar o paradigma da procura de imóveis”. Uma “tendência que será adotada por algumas empresas ao perceberem que funciona”, conta.

“Em tempos de incerteza é importante repensarmos aquilo que nos move, transformando uma situação aparentemente menos boa numa oportunidade de desenvolvimento”, comenta o especialista, salientando que o mercado de escritórios tem vivido, nos últimos anos, “uma época excecional, com crescimento constante”.

“(...) É certo que o efeito do vírus se está a sentir de forma óbvia, tendo em conta a quarentena que estamos a seguir (...). Acreditamos que os portugueses irão seguir as medidas impostas pelo Governo e assim retomaremos em força no segundo semestre do ano, com as empresas a tomarem as decisões – suspensas nesta fase – nessa altura”, diz Pedro Salema Garção, em comunicado.

Perante todo este cenário de incerteza, o Head of Agency da Worx considera que os projetos futuros de escritórios “terão de ser repensados para oferecerem alternativas às empresas que procurem dimensões médias, e não apenas grandes dimensões”. “Uma empresa que inicialmente procuraria uma área de 1.000 metros quadrados m2 pode perceber que necessita apenas de 800 m2, uma vez que optará por ter parte dos colaboradores a trabalharem remotamente, reunindo todos os colaboradores fisicamente no mesmo espaço apenas esporadicamente”, explica.