Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Lisboa: preço das casas disparou 20% em Campo de Ourique, Amoreiras e Estrela

Maquete da fachada do Campo de Ourique Prestige / Carla Celestino
Maquete da fachada do Campo de Ourique Prestige / Carla Celestino
Autor: carla celestino (colaborador do idealista news)

O idealista/news visitou os bairros da Estrela, Amoreiras e Campolide, em Lisboa, e facilmente verificou o enorme crescimento que tiveram, em particular nos últimos anos, com especial enfoque na reabilitação de edifícios que deram lugar a novas habitações. Um crescimento que também se fez sentir no preço das casas, que aumentou 20%.

Na opinião de Constanza Maya, Head of Expansion & Support da mediadora Engel & Völkers, o aumento dos preços deve-se “à maior procura de mercado, tanto nacional como internacional”, e ao “aumento do turismo, que provoca o crescimento de serviços e consequentemente a recuperação e a valorização dos edifícios”.

A ERA abriu recentemente a sua agência de Campo de Ourique/Amoreiras “precisamente para prestar um melhor serviço de proximidade”, explica João Pedro Pereira, da Comissão Executiva da ERA Portugal. Na base desta decisão esteve o facto de “especificamente nas freguesias de Campo de Ourique e Estrela existir um maior dinamismo do mercado”.

Com efeito, como afirma, estas “zonas, pela sua localização e qualidade de construção, têm vindo a ser cada vez mais procuradas por investidores estrangeiros”. E o facto de estarem na sua mira fez com que o preço por metro quadrado (m2) aumentasse nos últimos anos. Ainda assim, para João Pedro Pereira “são valores que estão em linha com as restantes freguesias do concelho de Lisboa”.

"Estas zonas, pela sua localização e qualidade de construção, têm vindo a ser cada vez mais procuradas por investidores estrangeiros”
João Pedro Pereira, ERA Portugal

Esta é uma visão partilhada por Constanza Maya: “Os valores de mercado têm como base a lei da oferta/procura, automaticamente, havendo mais infraestruturas e por sua vez uma oferta de imóveis com qualidade no centro da cidade de Lisboa”. Por isso considera que “é inevitável” haver uma maior procura quando “comparada com a oferta de mercado, que provoca o aumento do valor do m2”.

O representante da ERA avança com números que revelam um aumento do preço por m2 “na ordem dos 20% face a 2017”. E considerando apenas as freguesias de Campo de Ourique e Estrela, os valores rondam em média os 3.500 euros por m2, “com preços médios de venda que rondam os 246.000 euros”.

De acordo com os dados do Confidencial Imobiliário (Ci), nas zonas de Campo de Ourique, Amoreiras e Campolide o valor médio de venda é 4.500 euros por m2, sendo a zona da Estrela é a mais cara (uma casa custa em média 5.600 euros por m2).

O segredo é a alma do negócio

Campo de Ourique, Amoreiras e Estrela são a prova viva de que a construção nova voltou em força, assim como está de regresso a compra de apartamentos em planta, algo impensável até há poucos anos. Mais…, os preços são tão “seletivos” que, em alguns casos, não existem valores oficialmente divulgados, apenas os compradores sabem quanto pagam por eles.

Maquete do Amoreiras Vista / Carla Celestino
Maquete do Amoreiras Vista / Carla Celestino

O Amoreiras Vista, junto ao Jardim das Amoreiras, é um edifício de construção de raiz que, neste momento, tem apenas uma unidade disponível (preço sob consulta), quando a conclusão está prevista para 2019. O mesmo se passa com o projeto promovido pela ODEON Properties, o Arrábida Residences. O término da obra aponta para o final de 2018, mas já só existe uma unidade disponível para venda e os preços são mantidos em privado pelo promotor.

Maquete do Arrábida Residences / Carla Celestino
Maquete do Arrábida Residences / Carla Celestino

Há, no entanto, outros edifícios em comercialização em que os preços de venda são públicos e reveladores do quão bem cotadas estão estas zonas de Lisboa.

Piscina do Campo d’Ourique Prestige / Carla Celestino
Piscina do Campo d’Ourique Prestige / Carla Celestino

Um desses exemplos é o Campo d’Ourique Prestige, com apartamentos de tipologias T0 a T5 com áreas entre os 39 m2 e os 235 m2. O empreendimento tem piscina na cobertura, estacionamento e arrecadação e no rés do chão um espaço comercial com 165.70 m2. Os preços chegaram aos 780.000 euros, sendo que as últimas unidades em venda são oito T0 Triplex.

Maquete do Campo de Ourique 217 / Carla Celestino
Maquete do Campo de Ourique 217 / Carla Celestino

Já o Campo de Ourique 217, um edifício com três apartamentos com suite, terraços generosos, lugares de garagem eletrificados, parque para bicicletas e um lugar extra de estacionamento disponível para visitas ocasionais, estará concluído no verão de 2019. Os preços? Está à venda um T3 com 168 m2 por 950.000 euros e um T4 com 192 m2 por 1.150.000 euros.

Novos projetos no horizonte

Basta passar pela Rua Saraiva de Carvalho, em Campo de Ourique, para se ver “porta sim, porta não” projetos de recuperação do edificado.

Palacete do século XIX na Rua Saraiva de Carvalho, em Campo de Ourique / Magellimo Real Estate Projet Management
Palacete do século XIX na Rua Saraiva de Carvalho, em Campo de Ourique / Magellimo Real Estate Projet Management

No número 95-97 há um palacete do século XIX, conhecido como a Quinta da Saudade, a ser reabilitado. Promovido pela empresa Caravelles, o projeto de reforma prevê a criação de quatro apartamentos luxuosos, com instalações modernas e vista sobre a Basílica da Estrela e sobre um vasto logradouro arborizado. Os preços ainda não foram divulgados.

  • O apartamento 0/A  duplex é constituído por duas suites, está localizado no piso jardim e piso 0 e tem dois lugares de estacionamento
  • O apartamento 0/B duplex tem quatro quartos, está situado no piso jardim e piso 0, tem uso exclusivo do jardim e dois lugares de estacionamento
  • O apartamento 1/A duplex é composto por três suites, está localizado no piso 1 e 2, tem varanda e dois lugares de estacionamento
  • O apartamento 1/B duplex tem duas suites, está situado no piso 1 e 2, tem terraço e varanda e dois lugares de estacionamento. 

Do 59-69 há todo um conjunto com 1.100.00 m2 a ser recuperado e no nº 170 há outro edifício com 299.80 m2 a ser alvo de intervenção, havendo ainda alguns edifícios emparedados com potencial futuro.

"São bairros históricos que proporcionam, a quem neles habita, uma vivência familiar, oferecendo melhores serviços e acessos"
Constanza Maya, Engel & Völkers 

João Pedro Pereira considera que “estas zonas sempre foram muito procuradas, pela sua localização em pleno centro da cidade, com uma rede de transportes, comércio e escolas”, por isso prevê que “continuem dinâmicas nos próximos anos”.

O mesmo “feeling” tem Constanza Maya: “As zonas históricas de Lisboa, nomeadamente Estrela, Campo de Ourique e Campolide, irão certamente continuar bastante dinâmicas e com um aumento de procura. São bairros históricos que proporcionam, a quem neles habita, uma vivência familiar, oferecendo melhores serviços e acessos. O turismo continuará a trazer uma nova vida a estas zonas e são cada vez mais os estrangeiros a querem fixar-se em Lisboa”, conclui.