Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Vendem-se mais casas usadas que novas (e preço está a subir o dobro)

A região Norte, a segunda com o maior número de transações (29,1%), ultrapassou pela primeira vez o limiar das 13 000 transações / Gtres
A região Norte, a segunda com o maior número de transações (29,1%), ultrapassou pela primeira vez o limiar das 13 000 transações / Gtres
Autor: Redação

As casas têm vindo a subir constantemente em Portugal e o aumento médio nacional dos preços é, sobretudo, mais significativo nas habitações usadas, ainda que os imóveis novos também estejam mais caros e se vendam cada vez mais. No total, o valor das vendas no segundo trimestre deste ano atingiu os 6,2 mil milhões de euros, mais 34,9% do que no mesmo período de 2017. Tudo isto (e muito mais que te contamos agora) mostram os dados mais recentes do Instituto Nacional de Estatística (INE).

"O Índice de Preços da Habitação (IPHab) aumentou, em termos homólogos, 11,2% no segundo trimestre de 2018",  informa o INE em comunicado, destacando que "o ritmo de crescimento dos preços das habitações existentes foi o dobro do observado nas habitações novas (12,6% e 6,3%, respetivamente)".

Entre abril e junho de 2018 foram transacionadas 45 619 habitações, o que representa um aumento de 23,7% face ao mesmo período do ano anterior e um novo máximo trimestral da série disponível. 

Número de transações de casas novas a subir

As casas em segunda mão totalizaram 38 880 vendas, correspondendo a um aumento de 24,8% face a idêntico período do ano transato. Por outro lado, registaram-se 6 739 vendas de alojamentos novos, mais 17,5% em termos homólogos - e este "número de transações correspondeu ao registo mais elevado dos últimos 4 anos e meio", segundo o INE.

De destacar aliás que, em termos de número de transações, "o aumento observado foi mais acentuado no caso das habitações novas, com uma taxa de variação de 14,3%, a mais elevada desde o quarto trimestre de 2014". Nas habitações existentes, o aumento do número de transações foi de 11,7%. Isto faz com que em termos globais se tenha registado uma subida de 12,0% (variação de -4,1% no trimestre anterior).

Desta forma, e ainda que as casas usadas tenham representado 5 mil milhões de euros do valor total transacionado (6,2 mil milhões de euros) "o crescimento observado no valor das vendas nos alojamentos novos (17,5%) superou o dos alojamentos existentes (13,3%)".

Quase metade do valor das vendas está concentrado em Lisboa

Em todas as regiões do Continente observaram-se máximos trimestrais de vendas no período em análise. A Área Metropolitana de Lisboa, na qual se concentraram 35,8% do total das transações, registou 16 331 vendas. A região Norte, a segunda com o maior número de transações (29,1%), ultrapassou pela primeira vez o limiar das 13 000 transações. Pela terceira vez nos últimos quatro trimestres, a região Centro representou mais de 7 000 transações, enquanto o Algarve ultrapassou as 4 000 vendas de habitações. O Alentejo apresentou pelo quinto trimestre consecutivo um número de transações acima das 2 000 unidades.

Entre abril e junho de 2018, o valor das transações realizadas na Área Metropolitana de Lisboa foi de aproximadamente 3,0 mil milhões de euros, 48,1% do total. No Norte, pelo quinto trimestre consecutivo, o valor das transações excedeu mil milhões de euros. Alentejo e Algarve superaram pela primeira vez, num trimestre, os 200 e os 700 milhões de euros, respetivamente.