Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Herança de "gordo" património imobiliário disputada por filhas de empresário algarvio

Hotel Riu, em Albufeira, é o ativo mais valioso na lista de bens em "guerra" / Expedia
Hotel Riu, em Albufeira, é o ativo mais valioso na lista de bens em "guerra" / Expedia
Autor: Redação

Três hotéis, mais de 530 apartamentos turísticos, duas moradias e 132 lotes de terrenos nos concelhos de Albufeira e Loulé. Este património imobiliário era de José Humbria Correia e está agora a ser disputado, em herança, pelas filhas daquele que era um dos maiores empresários do setor do turismo no Algarve. No total, as duas irmãs - Ângela Brazão e  Lilita Correia - estão em guerra por ativos avaliados em 150 milhões de euros.

A disputa, segundo conta o Correio da Manhã, surgiu na sequência de o milionário ter beneficiado mais uma filha do que a outra. Lilita Correia, de 63 anos, garante que ainda não recebeu nada e que os seus sobrinhos, netos do multimilionário, estão a usufruir de uma parte da herança e a controlar a totalidade do património.

No início do ano, os sobrinhos compraram o antigo centro comercial Atrium Faro, que vai dar origem a um novo hotel de quatro estrelas. O investimento, por sua vez, está a cargo da Jumbriveste — sociedade que controla os bens das empresas criadas por José Humbria Correia e que é liderada por um dos netos de José Correia, filho de Ângela Brazão, a herdeira mais velha, de 67 anos.

Os motivos da "guerra" entre irmãs

Em tribunal, acrescenta o diário, Lilita Correia contesta a alegada “compra fictícia de ações“, sendo que a sua defesa diz que a doação de 7,5 milhões de euros foi simulada por parte do empresário aos filhos de Ângela Brazão (a outra irmã) antes de morrer.

Segundo Lilita, a doação pode estar na base de um esquema para não lhe dar acesso à herança, uma vez que os sobrinhos passaram a deter 75% do capital social da Jumbriveste. Neste contexto, a defesa de Lilita quer anular o contrato de doação entre as duas irmãs. Além disso, as duas irmãs também não chegaram a acordo sobre o valor atribuído à herança.

Da longa lista de bens constam 25 ativos, o mais valioso ronda os 24 milhões de euros – o hotel Riu (350 quartos), nos Olhos de Água, em Albufeira. Entre os bens, estão também os apartamentos turísticos Falésiamar, avaliados entre 12 e 13 milhões de euros, e uma moradia na praia da Oura, de 1,3 milhões. O processo deu entrada no tribunal de Portimão, em 2008, mas está parado há vários anos.