Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Preços das casas em Portugal vão continuar a subir até 2020, antecipa a Moody’s

Fulvio Ambrosanio/Unsplash
Fulvio Ambrosanio/Unsplash
Autor: Redação

Portugal “apanhou” a onda da euforia imobiliária, e deverá permanecer nela nos próximos anos. Os preços das casas irão continuar a subir, de acordo com as previsões da agência de notação financeira Moody's, que estima um aumento de entre 7 e 8% do valor do imobiliário residencial até 2020. O mercado nacional é aquele onde os preços mais vão subir.

A Moody’s antecipa um crescimento moderado nos diferentes mercados europeus, mas realça os casos de Portugal, Holanda e Irlanda, que “deverão ser os que mais irão beneficiar com a valorização dos preços das casas nos próximos dois anos”, segundo escreve o Dinheiro Vivo. O mercado português é, de resto, aquele que apresenta a previsão de uma taxa de crescimento mais elevada na Europa.

“Existem algumas áreas em que o desfasamento entre a procura e a oferta está a levar a uma forte apreciação do preço do imobiliário residencial e comercial”, explicou a agência de notação financeira à referida publicação, acrescentando que o regime fiscal especial para não residentes também “está a impulsionar a procura externa por propriedades residenciais em Portugal.”

A agência notou ainda que “os preços das casas têm estado a aumentar desde meados de 2013” e aceleraram em 2017 “para níveis antes de 2008”.

Bolha imobiliária: sim ou não?

Os sinais de sobrevalorização dos preços das casas estão a preocupar algumas entidades, concretamente o Banco de Portugal (BdP), que em julho implementou novas medidas de restrição sobre o negócio do crédito, para evitar que a rapidez do crescimento do custo dos imóveis coloque outra vez em risco a estabilidade financeira do país, ou que as famílias voltem a enfrentar cenários de sobre endividamento.

No entanto, e ainda que as previsões da Moody’s indiquem uma contínua subida de preços nos próximos dois anos, o economista Filipe Garcia acredita não existirem, para já, razões para alarme.

Segundo o especialista, Portugal não está à beira de uma bolha imobiliária. “Não é evidente que estejamos propriamente numa situação de bolha imobiliária, sobretudo generalizada. Há uma alta de preços, que aceleraram a subida, mas não me parece que configure uma bolha, até comparando com outras cidades a nível internacional", explicou Filipe Garcia à revista Sábado.

Para Filipe Garcia os constantes alertas do BdP têm dois destinatários, “os bancos e os particulares". "Aos bancos, avisa-se para não se exporem em demasia ao risco, como no pré-troika, o que levou a muito malparado no imobiliário, sobretudo comercial e industrial. Quanto aos particulares, os avisos focam muito na capacidade de as famílias conseguirem honrar os compromissos caso se verifique uma subida dos juros ou uma perda de rendimento familiar", concluiu.