Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Cohousing: uma nova forma de habitação com projetos já a nascer em Portugal

Casa Compartilhada
Casa Compartilhada
Autor: Elisabete Soares (colaborador do idealista news)

O cohousing está ainda a dar os primeiros passos em Portugal, mas tudo aponta para que, dentro de poucos anos, seja uma forte realidade. As autarquias de Lisboa e do Porto, convencidas de que o futuro passa por este tipo de projetos, têm já algumas iniciativas pioneiras, ainda que de pequena dimensão. Do lado os investidores privados é considerada uma nova área de aposta e também as cooperativas querem participar neste novo conceito residencial. E há movimentos para que seja contemplado na nova Lei de Bases da Habitação.

Em fase avançada estão os projetos da Santa Casa de Misericórdia do Porto (SCMP). António Tavares, provedor da SCMP conta que um deles passa pela recuperação e reabilitação de "um antigo bairro destinado a mulheres viúvas", e o outro, será para “instalar num imóvel da instituição, localizado no centro da cidade”. Dentro de um ano e meio os projetos poderão estar a funcionar.

Estas duas iniciativas e o interesse que está a suscita o tema foi visível na conferência internacional Cohousing em Portugal, Viver Sustentável, organizada pela Hac.Ora, uma associação sem fins lucrativos, fundada em 2018, e que tem à frente Nuno Cardoso, ex-presidente da Câmara Municipal do Porto.

Foram vários os modelos de cohousing apresentados na conferência, a que assistiu o idealista/news. Contudo, a génese deste conceito assenta no facto de cada família ter garantido o seu espaço pessoal, com um conjunto de serviços de apoio, e com regras definidas, em que todas as tarefas e atividades são partilhadas.

Iniciativa bem-sucedida em Lisboa

Paula Marques, vereadora da Habitação e Desenvolvimento Local, da Câmara de Lisboa, destacou um projeto criado com este espírito, que já tem dois anos. “É um equipamento intergeracional, instalado no Bairro Padre Cruz, que inclui creche e espaço para jovens, no rés-do-chão, e residências assistidas nos andares de cima, apenas para idosos com autonomia”, destaca.

O projeto, promovido pela autarquia da capital, é gerido pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, e, na sua opinião, é uma iniciativa bem-sucedida.

“Cada um dos apartamentos é diferente dos outros, porque cada um dos residentes pode trazer os seus móveis e os seus objetos pessoais e decorar a seu gosto”. Depois, “partilham os espaços comuns, repartem as tarefas e organizam as suas festas, ondem recebem os jovens e crianças e os familiares”, acrescenta.

Porto com experiência piloto em habitações unifamiliares

Fernando Paulo, vereador da Habitação e Coesão Social, da Câmara do Porto, destacou que, desde 2017, têm no terreno um projeto sénior, com bons resultados.

Trata-se das Residências Partilhadas Seniores, uma parceria entre a Domus Social, organismo da autarquia, as juntas de freguesia e algumas instituições de solidariedade social (IPSS). E são, segundo as suas palavras, habitações unifamiliares, “habitadas por duas a três pessoas”, e cujo resultado “é positiva”.

Embora só tenham quatro apartamentos nesta modalidade, Fernando Paulo, destacou que há várias juntas de freguesia interessadas em avançar com o projeto, que destacou “não ter apenas uma vertente de habitação social”, já que está aberto a “residentes privados”.

O autarca salientou o interesse da autarquia em destinar um dos edifícios do Bairro do Cerco – atualmente em fase de reabilitação – para um edifício destinado a residências sénior. Contudo, acrescentou, “temos ainda dúvidas em relação às tipologias e outras características”.

Em relação às 17 casas - no total de 59 fogos – que estão em fase de reabilitação no centro da cidade, destacou que a intenção “é atrair outras populações, mas também deixar ficar as pessoas, criando-lhes as condições”.

Cooperativas também querem participar

Guilherme Vilaverde, presidente da Fenache (Federação Nacional das Cooperativas de Habitação Económica), adiantou que está, com algumas cooperativas, a idealizar vários projetos. Um dos mais avançados é o da cooperativa Sete Bicas, onde “já temos dois ou três locais identificados”. Contudo, alertou, é preciso "legislação e financiamento".

O responsável da Fenache referiu-se ao fato de a maioria das construções cooperativas se ter realizado nos anos 70 e 80 e, por isso, os seus proprietários se encontrarem agora numa faixa de idade em que “as casas já não respondem às suas necessidades”.

Por isso, “é necessário olhar de frente para uma nova resposta habitacional, que permita que se adie a institucionalização das pessoas”.

É que o universo das cooperativas – constituído por cerca de 200 mil casas – é um dos setores com grande apetência para o cohousing. “Seja qual for o modelo, as cooperativas estão disponíveis para participar”, destacou, ao idealista news, Guilherme Vilaverde.

Uma das primeiras iniciativas conhecidas de cohousing, localiza-se em Águeda, já com meia dúzia de anos, fundada pela IPSS Os pioneiros, que criou uma aldeia sénior, hoje com 18 idosos, que vivem num aglomerado de pequenas casas, com o apoio de profissionais.

Legislação cria muitos entraves

Na conferência internacional realizada na Faculdade de Engenharia do Porto, ficou patente a intenção, por parte de vários grupos, em promover e avançar com os empreendimentos. Alguns em fase de projeto avançado.

Contudo, a crítica comum está na dificuldade em fazer aprovar este tipo de projetos junto das autarquias, devido às especificidades próprias deste tipo de equipamentos. A começar pela dificuldade de fazer aprovar um projeto numa autarquia, em que não é possível substituir o espaço de aparcamento, obrigatório por lei, utilizando essa área para outros equipamentos. Um caso concreto, contado por um dos membros de um dos grupos presentes, e que está a inviabilizar um projeto.

Nuno Cardoso referiu, ao idealista/news, que no período de nove meses da Hac.Ora, uma das iniciativas foi ir junto da Assembleia da República e convencer os deputados para a necessidade de incluir o conceito de cohousing na Lei de Bases da Habitação, que está atualmente em elaboração.

“A habitação colaborativa tem especificidades próprias, obedece a novos modelos de construções” e, por isso, é necessário “alterar o Regulamento Geral de Edificações, permitindo que os PDM incluam este modelo”, destaca Nuno Cardoso.

O Hac. Ora que, neste momento, já tem mais de 500 associados, vai disponibilizar “alguns serviços de apoio de forma a puder ajudar quem nos procura”, destaca.

Nuno Cardoso alerta, ainda, que uma das iniciativas é a de construir uma plataforma técnica, que permita apoiar os associados que “queiram criar uma estrutura, como um vínculo legal, que permita apoiar quem quer avançar e desenvolver o seu próprio projeto”.