Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Prata Riverside Village cede espaços para apoiar artistas que ficaram sem local de trabalho

O protocolo estabelecido entre a VIC Properties e a P’la Arte visa a transformação de dois espaços comerciais do empreendimento em residências temporárias para artistas.

VIC Properties
VIC Properties
Autor: Redação

A promotora imobiliária VIC Properties estabeleceu um protocolo com a Plataforma P’la Arte, para a cedência gratuita de instalações do Prata Riverside Village a artistas que, perante a situação extrema provocada pela pandemia, depararam-se sem espaço de trabalho desenvolverem as suas produções artísticas. O acordo é válido por um ano e prevê a transformação de dois espaços comerciais, situados na zona térrea de um dos edifícios do empreendimento, localizado em Marvila (Lisboa), em residências temporárias de artistas visuais e criadores.

Desde o 11 de junho, conta a promotora, que artistas como Valentim Quaresma, Ana Fonseca, Sofia Castro e Cecília Costa encontraram no Prata Riverside Village a sua nova casa. O protocolo pretende ainda promover iniciativas de natureza cultural, nomeadamente exposições, eventos, conversas e conferências, fomentando o contacto mais próximo entre os cidadãos, a arte e os artistas.

VIC Properties
VIC Properties

“É com enorme satisfação que estabelecemos este protocolo com a Plataforma P’la Arte, prestando o apoio possível no sentido de minimizar o tremendo impacto negativo, a nível criativo e económico, que esta pandemia está a causar no meio artístico”, refere Luís Gamboa, COO da VIC Properties, citado em comunicado. “Esta parceria vem reforçar os princípios e valores da VIC Properties, que defende a aposta na arte e na cultura, e do Prata Riverside Village, um projeto desenhado para uma comunidade viva e aberta, em que a cultura e a arte contemporânea são elementos essenciais, requalificando e dando nova vida a uma zona da cidade que durante décadas esteve abandonada”.

Para Carlos Moura-Carvalho, um dos fundadores da recém criada Plataforma P’la Arte, “este protocolo pioneiro concretiza um dos elementos que consideramos essencial para que a arte tenha o lugar que merece em todas as vertentes da sociedade portuguesa, a aproximação dos artistas e do seu processo criativo às empresas e ao público”. O obejtivo, diz, é potenciar através da reflexão e partilha de temas contemporâneos, o “estabelecimento de parcerias com entidades públicas e privadas, nacionais e internacionais, produção de conteúdos, promoção de conversas, debates, exposições, residências artísticas e laboratórios criativos”.

“Este nosso projeto pretende aproximar a arte das empresas, prestigiar as instituições e dar visibilidade a Lisboa numa ação pioneira em tempos de crise. Houve muitos e muitos artistas que perderam nos últimos meses um local para poderem criar. É urgente encontrar soluções. Outras parcerias estão já em negociação. Estamos seguros de que a Arte nos vai ajudar a ultrapassar os tempos que se avizinham”, acrescenta Carlos Moura-Carvalho.