Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Belgas investem 21 milhões em projeto residencial em Lisboa: obras devem arrancar ainda este ano

A promotora tem vários projetos em marcha no país. Veio para ficar e diz que "ainda há muito para fazer".

Fachada Conde Lima / JLL/Porta da Frente
Fachada Conde Lima / JLL/Porta da Frente
Autor: Redação

O novo condomínio residencial premium que irá nascer em Lisboa, junto à Avenida da Liberdade, chama-se Conde Lima e vai ter 41 apartamentos de tipologias T1 a T4, com áreas entre os 65 e os 200 m2, todos com lugar de estacionamento. E sabe-se agora que irá custar cerca de 21 milhões de euros. A promotora belga Promiris tem “tudo a postos” para dar o pontapé de saída a este projeto de reabilitação, e prevê começar as obras do empreendimento em dezembro, assim que Câmara de Lisboa der autorização. O prazo de conclusão das obras é de 20 meses.

“O Conde de Lima nasce da junção delicada de dois edifícios numa ilha dentro da cidade. O edifício Lima integra uma fachada histórica, mas compartilha a modernidade e discrição com o edifício Lapa do outro lado. Um belo espaço privado ao ar livre completa a ligação”, lê-se no site dedicado ao projeto, entrege à Saraiva e Associados.

A comercialização do empreendimento arrancou em março, em plena pandemia, e até agora já foram vendidas sete frações segundo as declarações de Christian Terlinden, sócio-gerente da Promiris, ao Expresso (versão impressa). A promotora, tal como explica a mesma publicação, tem uma parceria estratégica para projetos residenciais em Portugal acima dos 20 milhões com a Thomas & Piron, o maior grupo de construção e promoção imobiliária da Bélgica.

Em Portugal para crescer

O responsável da Promiris acredita que ainda há "muito para fazer" no país. Pretendem investir no setor da habitação, mas também em segmentos como as residências para estudantes e para seniores (não medicalizadas), tal como explica ao jornal. O objetivo, aliás, "se tudo correr bem”, é conseguir 10.000 m2 de construção nova por ano em Portugal. “Há um enquadramento fiscal do Estado e das autarquias que é atrativo para a reabilitação urbana e de apoio ao investimento estrangeiro”, refere Christian Terlinden.

“Começámos no segmento de luxo, mas estamos a adaptar a oferta à procura portuguesa”, acrescenta, destacando o projeto MiraDouro, em Gaia, que prevê a construção de dois blocos habitacionais com um total de 54 apartamentos com tipologias entre T2 e T4, e preços entre 285 e os 660 mil euros, cujas áreas oscilam entre os 87 m2 e os 195 m2 .

A promotora também vai lançar o Cais do Cavaco, em Gaia, um empreendimento que prevê a construção de 256 fogos numa área de reabilitação urbana (ARU) e a construção da primeira residência sénior não medicalizada com 126 apartamentos que será operada pela Domitys, líder francês neste setor. No Porto, por sua vez, está a construir uma residência para estudantes na Rua António Granjo (Bonfim), com 211 quartos, que ficará pronta em dezembro de 2021, e outra em fase de licenciamento, na Asprela, com 265 quartos.

Já na capital, e além do Conde de Lima, a promotora tem em mãos o projeto Bivart — no antigo Hospital Particular —, e um aresidência para estudantes na Ajuda, que está em fase de licenciamento.