Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Nova Iorque e a crise dos arranha-céus: a história drástica do 432 Park Avenue

Oscilações excessivas por causa do vento, ruídos sinistros, fendas, canos estragados, inundações e infiltrações de água. São só alguns dos problemas.

Gtres
Gtres
Autor: Redação

O 432 Park Avenue é um dos arranha-céus mais altos de Nova Iorque e também um dos mais famosos. Mas agora falamos sobre este edifício por outro motivo. É que depois de anos de verdadeiro esplendor, a situação parece ter-se invertido. Está inabitável e apresenta muitos problemas: desde oscilações excessivas por causa do vento, ruídos sinistros, fendas, canos estragados, inundações e infiltrações de água ou elevadores que congelam.

Segundo o Corriere della Sera, os grandes arranha-céus de Nova Iorque entraram em crise. Os apartamentos exclusivos localizados nas incríveis torres com vista para a Big Apple já não são assim tão tentadores e, acima de tudo, rentáveis.

“O negócio doméstico de bilionários está em crise há alguns anos: os preços, que atingiram níveis loucos, já haviam caído em 2019 em pelo menos 20%, também porque as autoridades americanas começaram a controlar a procedência de capital suspeito, enquanto as compras de russos e chineses diminuíram, seja por causa das sanções contra os oligarcas de Moscovo, seja por causa da campanha de Xi Jinping na China contra a corrupção e a ostentação excessiva de riqueza ”, destaca o jornal.

E há alguns arranha-céus que nem sequer chegaram a ser concluídos, com muitos construtores a sentirem-se pressionados a vender as propriedades. A pandemia, de resto, veio complicar as coisas, com os negócios a encolherem ainda mais e os preços a caírem outros 15%.

Mas mesmo em edifícios acabados e vendidos a tempo, a vida não é "celestial," nem para aqueles que lá vivem, nem para os construtores e administradores de edifícios que estão a revelar todas as falhas de algumas soluções de engenharia muito ousadas, nunca antes testadas: os arranha-céus balançam com o vento e é por isso que são construídos com materiais que toleram uma flexibilidade considerável, mas estas torres finas balançam muito mais, as vigas fazem ruídos sinistros, aparecem fendas por toda parte. E então os canos, sob alta pressão em edifícios tão altos, saltam, e os elevadores param.

A idade de ouro dos grandes arranha-céus de Nova Iorque parece agora um pouco menos brilhante.