Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Esta casa pré-fabricada em Tóquio só tem 50 m2 e esconde um interior incrível

As mini casas otimizam pequenas áreas e podem ter designs de cortar a respiração.

Unemori Architects
Unemori Architects
Autor: Vicent Selva (colaborador do idealista news)

Se há contributo que o Japão deu ao setor da habitação foi o de projetar casas muito pequenas. Esta é uma tendência que surgiu na década de 1990 no país e tem uma justificação simples: a sua alta densidade populacional e limitação territorial criou uma enorme necessidade de construir casas funcionais em espaços reduzidos. Outro fator que influenciou esta tendência foi o aumento do preço das casas na cidade de Tóquio, a mais populosa do país, onde vivem mais de 9 milhões de pessoas. 

Nesse contexto não é de estranhar que muitas pessoas, principalmente jovens, tenham procurado habitações diferentes das convencionais. As denominadas 'tiny houses', principalmente instaladas em ambientes suburbanos, apresentaram-se com uma boa solução. Este modelo de casas foi batizado no Japão como ‘Kyosho Jutaku’ e foi ganhando popularidade sob o princípio de que "nenhum espaço deve ser desperdiçado".

O aparecimento deste tipo de habitação, como é lógico, foi tema de grandes debates, tanto no Japão como noutros países onde, entretanto, o modelo se expandiu (no mundo ocidental, por exemplo). Questões sobre conforto ou higiene foram colocadas em cima da mesa. Na verdade, muitas vezes o maior desafio ao construir uma mini casa é mesmo o de usar o máximo de espaço possível numa pequena área, combinando lazer, conforto e eficiência de espaço.

Desde então, o movimento da 'tiny house' evoluiu, geralmente para melhor, e as propostas que vão surgindo no mercado são cada vez mais interessantes e completas. Na verdade, tornaram-se uma opção fantástica para quem não quer gastar muito numa habitação ou, pelas suas características ou modo de vida, não precisa de uma casa grande.

O projeto realizado pelo estúdio de arquitetura japonês Unemori Architects enquadra-se nesta linha. Este estúdio projetou uma pequena casa pré-fabricada em Tóquio, composta por várias caixas empilhadas num terreno de 26 metros quadrados (m2).

O projeto foi batizado de ‘House Tokyo’ e, como outros de características semelhantes, foi desenhado para aproveitar o máximo espaço de um pequeno terreno, numa zona densamente povoada da capital japonesa.

O estúdio projetou a casa em torno de uma estrutura de madeira geometricamente estruturada com o piso superior afastado da rua para criar um pequeno terraço. Todas as paredes externas foram feitas de cimento revestido com aço galvanizado ondulado industrial.

Embora tenha sido construída numa área urbana densa, onde os prédios vizinhos estão próximos uns dos outros, a Casa Tóquio foi colocada ligeiramente fora de vista para permitir que mais luz natural entre na casa. As suas grandes janelas abrem para os arredores e quebram a fachada.

No interior da casa, as alturas dos tetos variam entre 1,9 metros (m) e 4,7 m e a estrutura de madeira da casa ficou visível como detalhe decorativo. A casa tem uma área total de 51 m2, distribuída por dois pisos. O quarto, a casa de banho e a arrecadação do imóvel situam-se no rés-do-chão da semicave, enquanto a cozinha e a área de refeições em plano aberto situam-se no primeiro andar.

A casa foi construída como uma residência privada, mas os proprietários planeiam eventualmente arrendá-la. Por este motivo, os arquitetos da Unemori projetaram o quarto de forma a que este possa ser dividido em dois, se necessário.