Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Assim era Kowloon: a cidade sem lei mais populosa da história

O governo decidiu destruir a cidade, anunciando a ordem de despejo para todos os moradores e a futura demolição dos edifícios. No local, nasceu um jardim.

Kowloon
Kowloon - Hong Kong / Wikimedia Commons
Autor: Redação

Até 1994, em Hong Kong, existia a cidade murada de Kowloon, famosa pelas casas “colmeia”, típicas da metrópole asiática. Kowloon parecia algo saído de um filme de ficção científica: à margem da lei, a não ser a imposta pelos seus habitantes, uma densidade populacional 120 vezes maior que a de Nova Iorque, o que a tornava a mais populosa do mundo, e com os níveis de crime mais elevados. Entretanto, este lugar desapareceu, tendo sido reduzido a uma cidade fantasma.

Kowloon
Wikimedia Commons

Controlada por grupos locais e com altos índices de prostituição, jogo e uso de drogas, em 1990, a cidade murada já contava com 50 mil habitantes nos seus 2,6 hectares de terras

Kowloon
Wikimedia Commons

As ruas eram como túneis, onde não havia vestígios de sol, com telhados em cima de milhares de cabos e canos. Por essas razões, a cidade murada de Kowloom também foi apelidada de "Cidade das Trevas".

Kowloon
Wikimedia Commons

Vivendo sem lei, qualquer um poderia exercer qualquer profissão, do eletricista ao médico, sem nenhuma qualificação. Nem mesmo a polícia fez fiscalizações, com medo de cruzar os umbrais da cidade murada.

Kowloon
Wikimedia Commons

Em 1987, o governo decidiu destruir a cidade, anunciando a ordem de despejo para todos os moradores e a futura demolição dos edifícios. O governo de Hong Kong pagou uma indemnização às 900 empresas e mais de 10.000 famílias que deveriam mudar-se para outro lugar.

Kowloon
Wikimedia Commons

A expulsão de todos os residentes durou anos. A demolição da cidade começou em 23 de março de 1993 e em abril de 1994 desapareceu para sempre.