Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Assim serão as casas no pós-Covid - lições aprendidas com a pandemia

O planeamento do espaço dos lares vai mudar. Estruturalmente, em obras novas, mas também através de pequenos projetos de reforma.

Photo by jisoo kim on Unsplash
Photo by jisoo kim on Unsplash
Autor: Lucía Martín (colaborador do idealista news)

Se no início do ano nos dissessem que iríamos ficar confinados em casa, durante meses, devido à chegada do coronavírus, dificilmente acreditaríamos. Mas aconteceu. E a quarentena forçou-nos a mudar os nossos hábitos sociais e a fazer da casa, o posto de trabalho, a escola das crianças, o ginásio, o café, e muito mais. Isto fez-nos a todos perceber a importância de ter um pequeno balão de oxigênio, na forma de terraço ou varanda e veio colocar em evidência que a maioria das casas atuais deveria ter sido projetada de forma diferente. Decidimos, por isto, abordar essa questão com o arquiteto Pablo García, que tenta vislumbrar como as casas devem ser projetadas após a pandemia.

  • 1. Superfície útil: “As casas devem ser maiores ou melhor distribuídas. As casas podem aumentar de tamanho se o edifício crescer pela fachada, adicionando grandes galerias que atuam como um espaço multiuso. A melhor referência é a intervenção de Lacaton e Vassal em Bordeaux. Uma série de jardins de inverno foi criada, bem como uma nova gama de varandas próximas às principais fachadas dos edifícios, ampliando a área útil das unidades. Essa intervenção deve ser tomada como uma referência de como um efeito máximo pode ser alcançado com uma intervenção mínima ”, indica García.
  • 2. Terraço ou varanda, sim ou sim. “Os terraços devem ser incluídos no programa mínimo de habitação. Em geral, uma habitação mínima consiste em: quarto principal, sala, cozinha e casa de banho. Nada é dito sobre os terraços e vimos que eles representam um balão de oxigênio fundamental quando enfrentamos um confinamento. O problema de fazer marquises deve ser controlado pelos municípios não permitindo a prescrição da referida infração se a considerarmos como um espaço vital mínimo ”.
  • 3. Áreas de desinfecção na entrada. “A entrada da casa pode ser pensada como o espaço de transição entre a nossa casa e o exterior. Isso significa que seria uma zona livre de vírus. O piso deve ser de porcelana ou um material poroso baixo, resistente a produtos abrasivos. E deve ser pensado um armário para roupas e sapatos para ficar nesse ponto antes de entrar na casa. Incluir um lavatório para lavar as mãos assim que chegarmos antes de bater em todas as portas até chegarmos ao banheiro principal é outra dica. Se a ciência permitir, também pode ser um espaço com luz irradiada que nos desinfeta completamente.”
  • 4. Zona de teletrabalho. “Vamos precisar de um escritório em casa e, quando uma nova distribuição for considerada, esta zona de trabalho deverá ser adicionada. Para isso é necessário considerar a sua iluminação, conexão à Internet por cabo, plugues bluetooth, chamadas de vídeo e área de reuniões ou persianas que criam fundos neutros atrás de nós para proteger a privacidade da casa, incluindo isolamento acústico do referido quarto. Em apartamentos muito pequenos, essa intervenção deve ser considerada nos quartos. As camas não podem ocupar tanto espaço".
  • 5. Móveis personalizados e automação residencial. "O mobiliário convencional é muito bom, mas não é válido para espaços pequenos. É importante fazer um projeto do mobiliário na sua casa e pensar como este pode ser adaptado para tornar o espaço mais multifuncional. A automação residencial deve ser introduzida para nos ajudar a criar uma casa multifuncional que se adapte a diferentes situações ", conclui o arquiteto.