Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Crédito malparado

Últimas notícias sobre "Crédito malparado" publicadas em idealista.pt/news

BCP negoceia venda de carteira de imóveis de 200 milhões com britânicos

O BCP continua empenhado na limpeza de ativos tóxicos do seu balanço. O banco liderado por Miguel Maya está tentar alienar imóveis que estavam hipotecados  - e que foram executados pelo próprio banco – avaliados em mais de 200 milhões de euros.

Notícia sobre:

Bancos cortam 2.700 milhões de euros no crédito malparado

O mercado imobiliário está ao rubro, o que acaba por “ajudar” o negócio dos bancos, que com a valorização dos preços dos imóveis têm vendido as suas carteiras de créditos tóxicos. No primeiro semestre, desfizeram-se de quase 2.700 milhões de crédito malparado. 

Notícia sobre:

Novo Banco vende carteira de imóveis de 400 milhões de euros à Cerberus

O Novo Banco deverá fechar esta sexta-feira (12 de julho de 2019) a venda de uma carteira de imóveis que ficou conhecida como Sertorius e que está avaliada em cerca de 400 milhões de euros, que vão agora passar para as mãos do fundo Cerberus.

Notícia sobre:

Bancos em plena limpeza de balanços: reduzem 36% de malparado em dois anos

Os bancos portugueses reduziram o valor de crédito malparado em 18 mil milhões de euros nos últimos dois anos, segundo os dados divulgados pelo Banco de Portugal (BdP). Os números mostram uma nova quebra neste tipo de empréstimos, contudo, os níveis de crédito em incumprimento em Portugal continuam acima da média europeia.

Notícia sobre:

CGD contrata KPMG para vender 1.800 milhões de euros em crédito malparado

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) contratou a consultora KPMG para a auxiliar na venda de carteiras de crédito malparado cujo valor ascende a 1.800 milhões de euros. O banco público fará as operações este ano e no próximo, sendo que as mesmas fazem parte da estratégia da instituição financeira de aliviar o peso dos empréstimos em incumprimento, que ainda penalizam a sua rentabilidade.

Notícia sobre:

CGD vende 476 milhões de crédito imobiliário malparado ao fundo Bain Capital

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) vendeu 476 milhões de euros em crédito malparado ao fundo de private equity norte-americano Bain Capital Credit. O mesmo fundo adquiriu ainda outros 489 milhões de euros em empréstimos do banco espanhol Ibercaja.

Notícia sobre:

CaixaBank vende 20 hotéis de luxo ao Fundo Apollo por 700 milhões

O banco catalão CaixaBank, maior acionista do BPI com 45,5%, está a desfazer-se de ativos que estavam a pesar nas contas na sequência de incumprimentos. Nesse sentido, vendeu 20 hotéis de quatro e cinco estrelas, no valor de 700 milhões de euros, ao Fundo de investimento norte-americano Apollo, que é dono da Tranquilidade e um dos interessados na compra do Novo Banco.

Notícia sobre:

Plano para resolver malparado da banca já está em Bruxelas

O crédito malparado é um problema crítico para a banca e a economia nacional e a ComissãoEuropeia e o Banco Central Europeu (BCE) têm vindo a reclamar uma solução com urgência. Como resposta, o Governo de António Costa preparou um plano com três eixos que visa, exatamente, combater o elevado rácio de créditos não produtivos (NPL) no balanço dos bancos a operar em Portugal, que já está em Bruxelas.

Notícia sobre:

Bancos portugueses têm 4.000 milhões de euros de reservas parados

A banca portuguesa tem 4.000 milhões de euros de excesso de liquidez, ou seja, tem dinheiro parado que vai muito além das reservas mínimas exigidas pelo Banco Central Europeu (BCE). Equivale a 2% do PIB, um montante significativo que não chega à economia real. A Associação Portuguesa de Bancos (APB) considera que a procura de crédito é escassa e grande parte da que existe comporta um risco elevado.

Notícia sobre:

Um terço da dívida das construtoras está em incumprimento

Quase metade do investimento feito em Portugal vem da construção, que é precisamente o setor com o valor mais elevado de crédito malparado. Entre as empresas de construção, mais de um em cada três euros da dívida (um terço) está em incumprimento (35,6%).

Notícia sobre: