Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Crédito à habitação: Bom ou mau negócio?

Gtres
Gtres
Autor: Redação

Artigo escrito por joao.raposo@reorganiza.pt, partner da Reorganiza, para o idealista/news, no âmbito da rubrica “Trocado por Miúdos”.

Houve tempos em que todos os portugueses acreditavam que comprar casa era o melhor que podiam fazer. Com o estoiro da crise do subprime e com a quebra de confiança nos mercados o consumo retraiu-se e o mercado do arrendamento em Portugal tornou-se muito mais apetecível. No entanto, parece que agora está a voltar a “moda” de procurar financiamento para a compra de imóveis.

Será que é bom negócio comprar casa?

A primeira consideração que deves ter é que comprar casa é sempre um investimento. Ou seja, não deves comprar casa porque apenas responde às tuas necessidades de hoje. Deves considerar todas as variáveis possíveis de tornar essa compra um bom investimento. Nomeadamente: como fazes se tiveres uma proposta de trabalho noutra cidade ou país? Quanto podes dar de entrada inicial de forma a precisares o menos possível de crédito? Com quem estás a assumir a responsabilidade? A casa que estás a escolher hoje é a casa que queres ter aos 70 anos?

Se depois de considerados todos os prós e contras da compra de casa decidires avançar para a compra, então deves passar para o próximo passo: os bancos não são todos iguais.

Já deves ter reparado que os bancos estão a voltar a fazer propaganda do crédito à habitação. Isto é bom porque é sinal de concorrência entre os bancos. A concorrência traz exigência para apresentarem as melhores condições de crédito. Neste sentido podes e deves negociar com eles.

Como negociar com os bancos?

É essencial procurar toda a informação disponível no mercado. Dá trabalho visitar vários bancos e analisar diferentes simulações, mas esta postura pode levar-te a teres grandes poupanças no longo prazo. 

Quando estás perante um credor fá-lo perceber que tens outras alternativas e que não estás desesperado, pois tens outros bancos a “lutarem” por ti. Se apareces num balcão como alguém que já teve muitas recusas e que está com poucas esperanças, o credor vai perceber e aproveitar-se da situação.

O spread é importante, mas não é tudo. Ou seja, podes encontrar um banco que faz uma proposta de spread mais baixo que outro, mas que obriga à subscrição de vários produtos. Esta adesão a outros produtos é comum em todas as ofertas e pode levar a reduções de spread significativas, mas se os produtos que estás a adquirir têm anuidades elevadas (exemplo de cartões de crédito) e TAEG’s superiores à concorrência, então a redução do spread pode deixar de ser vantajosa.

Há bancos que atualmente estão a apresentar spreads abaixo dos 2%. Claro que não é para todos os casos, mas é uma situação possível. Mesmo se já tiveres crédito habitação pode ser interessante aproveitar esta concorrência saudável para avaliares o custo/benefício de transferires o crédito habitação para outro credor. Se quiseres verificar quais as melhores condições que há no mercado a Reorganiza pode ajudar-te nessa análise do mercado.  

Cada um deverá saber por si se faz bem em comprar casa. Apenas é importante lembrar que comprar casa é um processo de investimento que deve ser levado com cautela. Não ponhas de parte a hipótese de arrendar, pois em muitos cenários pode mesmo ser a melhor solução. Se fores avançar para a compra de casa, ou quiseres transferir o teu crédito habitação, procura conselho para não fazeres um mau negócio! É que o desconhecimento de alguns clientes são oportunidade para os bancos poderem fazer melhores negócios… para eles, claro!