Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Guia de sobrevivência do crédito à habitação: este é o quinto passo...

Pixabay
Pixabay
Autor: Redação

Os bancos voltaram a abrir a torneira do crédito à habitação. Mas há cuidados a ter em conta ao pedir um empréstimo. Por isso o idealista/news preparou, com a ajuda da Deco – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor, um guia de sobrevivência na hora de pedir um crédito à habitação, que começámos a publicar há algumas semanas. Hoje explicamos-te tudo sobre os custos a ter em conta durante todo o processo.

Se vais comprar casa precisas saber que existe um conjunto de despesas associadas à obtenção de um crédito à habitação. Esses encargos, legais e fiscais, estão relacionados com as várias fases do processo e prendem-se essencialmente com as comissões cobradas pelas instituições financeiras que concedem crédito.

Estes custos não podem ser ignorados e devem ser, desde logo, equacionados, pois pesarão na decisão final, já que podem variar de banco para banco e são proporcionais ao valor do imóvel e financiamento a obter. 

Em média conta com os seguintes custos:

Comissão de Abertura do Processo 

Assumindo designações diferentes, consoante o banco, usualmente comissão de estudo, de abertura ou de dossier (200 a 300 euros).

Comissão de Avaliação do Imóvel

Trata-se de uma comissão a cobrar pela avaliação do imóvel a financiar, para a qual o banco contrata, em regra, um avaliador externo (250€ a 350 euros).

Comissão de Formalização

Corresponde às despesas administrativos do banco e deve ser paga no momento de formalização do contrato de crédito e só pode ser paga uma única vez (150 a 200 euros).

Comissão de Solicitadoria

Alguns bancos cobram este serviço, que integra despesas de recolha e tratamento de toda a documentação da habitação e formalização necessária (150 a 250 euros).

Notariado/Casa Pronta

Com a formalização do contrato de escritura deverá ser contratado o serviço de notariado, que incluirá o registo da hipoteca e preparação de minutas de escritura (650 a 1.000 euros).

Terás ainda de pagar o Imposto de Selo IMT - Imposto Municipal sobre transações onerosas de imóveis e o Seguro de Vida e o Seguro Multiriscos. Mensalmente, com a prestação, suportarás ainda uma comissão que, em regra, se situará em cerca de 2 a 3 euros.

Sugestão: 

Na FINE verifica qual o MTIC - Montante Total Imputado ao Consumidor. Será esse o custo total do crédito (inclui juros, custos com as comissões de abertura de processo, avaliação do imóvel, formalização e de liquidação das prestações e respetivos impostos bem como as despesas com emolumentos para registo de hipoteca e seguros vida e multirriscos exigidos).

Informa-te, avalia em consciência e toma a melhor decisão!

Segue-nos na próxima semana para saber mais.