Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Desde 2010 que os bancos não emprestavam tanto para a casa – 4.931 milhões em seis meses

Tim Stief/Unsplash
Tim Stief/Unsplash
Autor: Redação

Os empréstimos para a compra de casa em Portugal somam e seguem – e batem recordes. Nos primeiros seis meses do ano, os bancos concederam 4.931 milhões de euros em crédito à habitação, o equivalente a 27 milhões de euros por dia, segundo dados do Banco de Portugal (BdP), divulgados esta terça-feira (12 de agosto de 2019). Trata-se do valor mais elevado desde 2010, altura em que foram emprestados mais de cinco milhões de euros.

Os bancos concederam 849 milhões de euros em empréstimos para a aquisição de casa, em junho, menos 78 milhões que em maio, mês em que foram concedidos 927 milhões de euros às famílias – foi em maio que o montante das novas operações superou pela primeira vez, desde dezembro do ano passado, a fasquia dos 900 milhões de euros, como o idealista/news noticiou.

O regulador criou novas regras – entraram em vigor a 1 de julho de 2018 - para os novos contratos de financiamento para a compra de casa. O BdP “pediu” à banca que não assumisse riscos excessivos na concessão de novos créditos, colocando limites à taxa de esforço das famílias, à maturidade dos empréstimos e ao valor do crédito face ao imóvel dado em garantia.

Mas nem as medidas macroprudenciais do supervisor conseguiram pôr “travão” à torneira do crédito. No acumulado do ano, os bancos emprestaram 4.931 milhões de euros, mais 3,29% que em igual período do ano passado. Segundo as contas do ECO, este é, de resto, o valor máximo em nove anos, sendo preciso recuar à primeira metade de 2010 para encontrar um valor superior. Nesse período foram emprestados 5.166 milhões de euros.