Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Debt Service-to-Income (DSTI): como descodificar a linguagem do crédito à habitação

marijeberting @Visual Hunt
marijeberting @Visual Hunt
Autor: Redação

Debt Service-to-Income (DSTI). É uma recomendação do Banco de Portugal, no âmbito dos novos contratos de crédito. Ficaste em pânico, porque estás em vias de pedir um empréstimo à habitação e não entendes bem o que está em causa? Não te preocupes, porque sabemos que a compra de casa é um processo vital e vamos explicar-te tudo. Na rubrica que o idealista/news tem em parceria com a Deco, continuamos a descodificar as disposições rebuscadas que são utilizadas: hoje trocamos por miúdos esta sigla.

O objetivo é descomplicar ou descodificar alguma da linguagem utilizada pelas instituições de crédito na hora de conceder um empréstimo, porque sabemos que, por vezes, pode ser difícil aos consumidores compreender tudo e isso pode gerar problemas futuros.

Debt Service-to-Income (DSTI)? O que é isso?

A sigla “DSTI”, que em inglês quer significar a relação entre o valor da dívida e o rendimento, refere-se a um conceito já nosso conhecido, a taxa de esforço.

  • De onde vem este termo e para que serve?

Importa recordar que cabe ao Banco de Portugal (BdP), autoridade de supervisão, promover a estabilidade do sistema financeiro, procurando evitar riscos que coloquem em causa a solidez do setor financeiro português.

Através de Recomendações, o BdP propõe a adoção medidas que visem prevenir esses riscos.

Uma dessas Recomendações respeita aos novos contratos de crédito celebrados com consumidores, como por exemplo um crédito à habitação ou um crédito ao consumo e deseja que os bancos e as instituições financeiras sejam prudentes na concessão de novos créditos.

  • Os principais objetivos desta recomendação

  1. Não colocar em risco a estabilidade financeira dos bancos/instituições financeiras;
  2. Prevenir incumprimentos por parte de consumidores/famílias.

De acordo com o definido nessa Recomendação do Banco de Portugal os bancos quando concedem empréstimos devem obedecer a limites no que respeita ao DSTI.

Concretizando, para calcular este indicador soma as prestações mensais dos créditos detidos e divide o resultado pelo teu rendimento mensal líquido (deduzidos os impostos e contribuições obrigatórias para a Segurança Social). Em seguida multiplica por 100 e terá uma percentagem, que será o seu DSTI.

O BdP recomenda que os bancos não concedam crédito quando o DSTI for superior a 50%.

  • O indicador a reter

Quando fores pedir crédito o seu DSTI deve ser menor ou igual a 50%.

Mas o desejável seria que não ultrapassasse 35%.