Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Avaliação bancária bate novo recorde – está nos 1.221 euros por m2

Foram consideradas 30.462 avaliações bancárias, mais 53,6% que no mesmo período do ano anterior.

Avaliação bancária bate novo recorde
Foto de RODNAE Productions no Pexels
Autor: Redação

A avaliação bancária das casas para efeitos de concessão de crédito à habitação está a subir há meses e voltou a bater um novo recorde. Em julho de 2021, fixou-se nos 1.221 euros por metro quadrado (euros/m2), tendo aumentado 0,5% face a junho (1.215 euros/m2), segundo dados divulgados esta sexta-feira (27 de agosto de 2021) pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

O maior aumento face ao mês anterior registou-se no Algarve (2,1%), tendo a Região Autónoma da Madeira apresentado a descida mais acentuada (-0,4%). Em comparação com o mesmo período do ano anterior, o valor mediano das avaliações cresceu 8,3%, registando-se a variação mais intensa na Área Metropolitana de Lisboa (8,1%) e a menor no Alentejo (2,4%), indica o INE. 

No caso dos apartamentos,  valor mediano de avaliação bancária de apartamentos foi 1.350 euros/m2, tendo aumentado 9,8% relativamente a julho de 2020. O valor mais elevado foi observado na Área Metropolitana de Lisboa (1.606 euros/m2) e o mais baixo no Alentejo (863 euros/m2). A Área Metropolitana de Lisboa apresentou o crescimento homólogo mais expressivo (8,5%), tendo a Região Autónoma dos Açores apresentado a única redução (-2,2%).

Por tipologia, segundo o INE, o valor mediano da avaliação para apartamentos T2 subiu 14 euros, para 1.367 euros/m2, tendo os T3 subido igualmente 14 euros, para 1.214 euros/m2. No seu conjunto, estas tipologias representaram 80,8% das avaliações de apartamentos realizadas no período em análise.

No caso das moradias, o valor mediano da avaliação bancária das moradias foi de 998 euros/m2 em julho, o que representa um acréscimo de 3,5% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Os valores mais elevados observaram-se no Algarve (1.628 euros/m2) e na Área Metropolitana de Lisboa (1.612 euros/m2), tendo o Centro registado o valor mais baixo (824 euros/m2). A Área Metropolitana de Lisboa apresentou o maior crescimento homólogo (6,5%) e o menor ocorreu no Centro (1,0%). Comparativamente com o mês anterior, o valor de avaliação diminuiu 0,3%. A Região Autónoma dos Açores apresentou o aumento mais acentuado (1,6%), e a maior descida aconteceu na Região Autónoma da Madeira (-2,5%).

Comparando com junho, os valores das moradias T2, T3 e T4, tipologias responsáveis por 88,4% das avaliações, atingiram os 939 euros/m2 (menos 10 euros), 988 euros/m2 (menos 1 euro) e 1.050 euros/m2 (menos 22 euros).

Número de avaliações bancárias também sobe

De acordo com o INE, foram consideradas 30.462 avaliações bancárias, mais 53,6% que no mesmo período do ano anterior. Destas, 19.427 foram apartamentos e 11.035 moradias. Em comparação com o período anterior, realizaram-se mais 406 avaliações bancárias, o que corresponde a um aumento de 1,4%.