Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Consumo das famílias portuguesas voltou aos níveis pré-troika

rawpixel/Unsplash
rawpixel/Unsplash
Autor: Redação

Passados os anos negros da crise, a economia dá sinais de recuperação. Os níveis de consumo dos portugueses são prova disso: voltaram ao patamar anterior à troika. Quer isto dizer que as famílias regressaram às compras, sobretudo para adquirir bens duradouros. Entre eles destacam-se os automóveis, que passaram para o fim da lista de compras quando a crise se instalou.

As famílias gastaram no segundo trimestre do ano cerca de 29.076 milhões de euros – em despesas de consumo final – , valores que comparam com os 29.407 milhões de euros registados há cerca de oito anos. Quer isto dizer que é preciso recuar até ao quatro trimestre de 2010, antes do pedido de resgate, para encontrar um valor superior.

Não se pode falar de um regresso ao passado, porque a estrutura do PIB mudou. O consumo das famílias passou de um peso de 66% no PIB no quarto trimestre de 2010 para 64% no segundo trimestre deste ano. Esse peso, escreve o Negócios, foi transferido para outras componentes consideradas pela maior parte dos economistas como mais saudáveis – entre elas as exportações. 

Vendas de automóveis dispararam

E o que é que os portugueses estão a comprar? Estão a comprar bens duradouros, como carros, uma despesa que teve de passar para segundo plano durante os anos de crise. Com a recuperação, as famílias voltaram gradualmente a investir nestes bens, cujos gastos atingiram um máximo de 17 anos neste trimestre.

Dados do INE, citados pela publicação, mostram que cerca de metade da despesa em bens duradouros corresponde à compra automóvel. Os números da Associação Automóvel de Portugal (ACAP) vieram confirmar este cenário. Nos primeiros seis meses do ano foram vendidos 156.442 veículos em Portugal, mais 5,4% que no mesmo período do ano passado. 

O outro tipo de bens duradouros mais comprados passa por motociclos, computadores, mobiliário, eletrodomésticos, ferramentas, material óptico, fotográfico e cinematográfico, jogos e brinquedos, joalharia, ourivesaria e artigos similares, entre outros.

Ver mais notícias sobre: 
ConsumoFamílias portuguesasCrise