Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Portugueses estão mais pobres que há 20 anos – a culpa é do euro?

Photo by Maryna Yazbeck on Unsplash
Photo by Maryna Yazbeck on Unsplash
Autor: Redação

Desde há cinco anos que Portugal tem conseguido convergir com os parceiros da moeda única. Ainda assim, o esforço não tem sido suficiente para resolver os problemas que o país foi acumulando, graças à crise e ao crescimento deficiente da economia. Diz o Banco de Portugal (BdP) que os portugueses estão hoje mais pobres face aos países da moeda única do que há 20 anos, altura em que o país estava prestes a deixar o escudo para trás das costas e a receber o euro. 

“Depois da queda observada durante o período de ajustamento económico, o PIB per capita em Portugal tem apresentado um movimento de recuperação”, lê-se no boletim económico de maio, publicado esta quarta-feira (8 de maio de 2019). Desde 2013, o PIB per capita em Portugal cresceu 12%, o que compara com um crescimento de 9% no conjunto da área do euro.

O BdP reconhece que nos anos mais recentes Portugal tem conseguido convergir, mas relembra que, em 2018, “o PIB per capita português representava 58% do PIB per capita da área do euro – um valor inferior em 3,4% relativamente ao observado em 1998”, ou seja, nos anos imediatamente anterior ao da entrada em vigor da moeda única.

O regulador considera que o “aumento do potencial de crescimento da economia é crucial para assegurar a manutenção de um perfil ascendente do consumo privado e de uma maior acumulação de capital, sem comprometer a necessária redução do endividamento”, sendo para isso fundamental retomar “um perfil ascendente da produtividade”, que é neste momento “um dos desafios cruciais enfrentados pela economia portuguesa”.

Produtividade estagnou em Portugal

O regulador mostra-se preocupado com a evolução desfavorável da produtividade, que não tem permitido sustentar uma dinâmica mais forte dos salários e do rendimento ao longo dos anos. "Ganhos de produtividade – resultantes de melhorias no capital humano, de incrementos no stock de capital disponível por trabalhador ou de progresso tecnológico – são determinantes para sustentar aumentos de bem-estar no longo prazo", diz o BdP.

O regulador defende que a produtividade aparente do trabalho tem estado estagnada no período de recuperação da atividade em Portugal, “após ganhos durante os episódios recessivos, associados ao desaparecimento de empresas e postos de trabalho menos produtivos”. Refere ainda que, embora a atual fase de expansão nas economias desenvolvidas se esteja a caraterizar por um crescimento fraco da produtividade (de forma atípica face a ciclos económicos anteriores), Portugal tem divergido face à área do euro ao longo do último quinquénio.

A participação na União Económica e Monetária continua a “colocar grandes desafios às economias nacionais”, avisa o regulador, explicando que a política monetária comum proporciona um “enquadramento de estabilidade de preços e condições monetárias favoráveis”, mas não garante por si só a preservação dos equilíbrios macroeconómicos, nem a convergência real das economias.

Taxa de desemprego sobe pela primeira vez em três anos

Entretanto, ficou esta quarta-feira a saber-se que, no primeiro trimestre do ano, a taxa de desemprego em Portugal subiu para 6,8%, o que compara com 6,7% nos últimos três meses de 2018, segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

Trata-se de um agravamento do desemprego face ao trimestre anterior, o que já não acontecia desde o primeiro trimestre de 2016 – a taxa subiu pela primeira vez em três anos. Este agravamento pode ser explicado, segundo os dados do INE, pelo aumento da população desempregada e a descida da população empregada.

“A população desempregada, estimada em 353,6 mil pessoas, aumentou 1,3% (4,5 mil) em comparação com o trimestre anterior e “na população empregada, 4.880,2 mil pessoas, foi observado um decréscimo trimestral de 0,1% (2,8 mil)”, indica o instituto estatístico.