Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Vais contratar um empréstimo numa loja ou stand? Eis 5 dicas a ter em conta

Photo by Thomas Drouault on Unsplash
Photo by Thomas Drouault on Unsplash
Autor: Redação

Há cada vez mais pessoas a pedir empréstimos para comprar um eletrodoméstico, um carro ou outro bem ou serviço, sem precisar de ir ao banco. Na prática, os consumidores estão a recorrer a intermediários de crédito, autorizados a tratar do processo de concessão de empréstimo, em representação do banco. Recorrer a este tipo de serviço pode ser mais conveniente, mas há alguns cuidados a ter. Deixamos-te algumas recomendações do Banco de Portugal (BdP).

1. Consulta o Portal do Cliente Bancário e assegura-te de que a entidade está autorizada a intermediar o crédito. As entidades que podem atuar como intermediário de crédito em Portugal constam de duas listas publicadas:

Os intermediários de crédito devem indicar, de forma bem visível e legível no exterior dos estabelecimentos abertos ao público, o seu nome, firma ou designação, a sua categoria de intermediário de crédito e fazer menção ao facto de estarem registados junto do BdP.

Estão ainda obrigados a disponibilizar um conjunto de informações sobre a sua atividade nos respetivos sites e no interior dos estabelecimentos abertos ao público, nomeadamente as instituições de crédito com as quais trabalham.

As entidades que não se encontram registadas no Banco de Portugal não podem atuar como intermediários de crédito. 

2. Não são os intermediários que concedem o crédito. Eles apenas intervêm na concessão de crédito. Também não podem comercializar outros produtos financeiros (por exemplo, não podem receber depósitos).

Os intermediários de créditos podem:

  • Apresentar ou propor aos consumidores contratos de crédito;
  • Apoiar os consumidores nos atos preparatórios de contratos de crédito mesmo que não tenham apresentado ou proposto esses contratos;
  • Celebrar contratos de crédito com os consumidores em nome das instituições que concedem crédito;
  • Prestar serviços de consultoria fazendo recomendações personalizadas sobre contratos de crédito.

E não podem:

  • Conceder crédito;
  • Receber ou entregar fundos relativos aos contratos de crédito;
  • Intervir na comercialização de outros produtos e serviços financeiros, incluindo depósitos e serviços de pagamento.

3. Verificar se tens de pagar pelo serviço de intermediação de crédito. Há intermediários de crédito que estão impedidos de cobrar aos clientes qualquer remuneração.

Se recorreres a um intermediário de crédito com vínculo com as instituições que concedem crédito (isto é, a um “intermediário de crédito vinculado” ou a um “intermediário de crédito a título acessório”), o intermediário não lhe pode exigir qualquer remuneração. Nestes casos, o intermediário é remunerado pelas instituições com as quais trabalha. 

Apenas terás de pagar pelo serviço de intermediação de crédito quando recorreres a um intermediário de crédito não vinculado. Neste caso, o preço dos serviços a prestar e outros encargos constam do contrato de intermediação que celebrou com esse intermediário.

4. Avaliar diferentes propostas antes de contratar o crédito.

O intermediário de crédito tem de fornecer gratuitamente:

  • A ficha de informação normalizada do crédito, isto é, o documento que apresenta as principais caraterísticas do crédito;
  • Informação pré-contratual sobre o serviço de intermediação de crédito.

 Analisa com cuidado toda a informação prestada nesses documentos e:

  • Pondera todos os custos do crédito, verificando a TAEG – a taxa anual de encargos efetiva global – e o MTIC – o montante total imputado ao consumidor – das propostas de crédito;
  • Verifica se as propostas de crédito preveem a aquisição de outros produtos. O spread pode ser mais reduzido caso o cliente aceite adquirir os produtos propostos; no entanto, esses produtos também podem trazer custos;
  • Ter atenção ao prazo do empréstimo. Créditos com prazos mais longos têm prestações mais baixas, mas são, geralmente, mais caros.

5. Podes apresentar diretamente ao BdP reclamações sobre a atividade dos intermediários de crédito.

Caso entendas que um intermediário de crédito não agiu de forma adequada na sua atividade, podes apresentar uma reclamação: