Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Cabeleireiros, barbeiros e serviços de estética a funcionar: mas com novas regras

Um manual de boas práticas com regras que visam garantir a maior segurança possível para funcionários e clientes nestes espaços comerciais.

Photo by Guilherme Petri on Unsplash
Photo by Guilherme Petri on Unsplash
Autor: Redação

O setor dos cabeleireiros, barbeiros, profissionais de beleza e estética foi um dos primeiros a ter permissão para abrir, logo a 4 de maio de 2020, na fase 1 do plano de desconfinamento. Mas esta reabertura envolve muitas regras, quer para os trabalhadores, quer para os clientes, sem esquecer as normas apertadas de higienização e limpeza das instalações e materiais. O idealista/news preparou um guia para que possas ir cortar o cabelo em segurança, com base no documento oficial com orientações para as reaberturas. 

Medidas gerais

  • As empresas devem elaborar o seu plano de contingência para a Covid-19, adaptado para a fase atual, seguindo a orientação 006/2020 da Direção Geral da Saúde e atuar em conformidade;
  • Exercer o direito de reserva e recusa de admissão no estabelecimento a pessoas que apresentem sintomas da doença;
  • Estabelecer medidas que assegurem um limite do número de pessoas no estabelecimento e garanta a distância entre pessoas dentro das instalações, nomeadamente:
  1. Trabalhar, apenas, por marcação de forma a garantir um número fixo e um menor número de pessoas dentro das instalações (este número é calculado de acordo com a área útil do estabelecimento, número de cadeiras de trabalho existentes, a dividir por dois, incluído as “mesas” de manicura e outros postos de trabalho que não se encontrarem em gabinete isolado) para se reorganizar a zona de atendimento a, por exemplo, deixar um lugar vazio entre duas pessoas e procurar, na medida do possível, que em torno de cada pessoa presente no estabelecimento exista uma distância de dois metros que a circunde;
  2. Recomenda-se a afixação na porta de um aviso com a informação deste condicionalismo;
  3. Não permitir a permanência de pessoas em espera dentro das instalações. O sistema de marcação prévia deve evitar filas de espera, quando, apesar desta regra, por alguma razão existam clientes em espera, os mesmos devem aguardar fora do estabelecimento e aconservando uma distância mínima de dois metros entre si;
  4. Mesmo não sendo fácil quando estiver a trabalhar num cabelo, manter, tanto quanto possível, os gestos ou a posição do corpo de modo a assegurar a distância;
  5. Adaptação dos horários de funcionamento dos estabelecimentos (alargar o período de abertura) e criar horários de trabalho diferenciados (organizar a rotação dos colaboradores) de forma a reduzir o número de trabalhadores em simultâneo no estabelecimento.
  • Se possível, manter a porta aberta para minimizar o toque no puxador/manípulos, ou, se assim não for possível, proceder à higienização dos manípulos após a sua utilização;
  • Colocar solução antisséptica de base alcoólica à entrada do estabelecimento, e incentivar o seu uso (através da afixação de pósteres que se encontram disponíveis no site da DGS);
  • Interditar cumprimentos que envolvam contacto físico (ex. abraços/beijos/aperto de mão) quer entre os colaboradores, bem como entre estes e os clientes. Cumprimentar apenas por aceno de cabeça ou verbalmente;
  • Pedir ao cliente para que seja ele próprio a colocar o seu casaco, chapéu de chuva, etc. no bengaleiro e evitar que o mesmo leve para o estabelecimento sacos de compras ou similares criando-se, de preferência, um espaço específico para o efeito;
  • Pedir ao cliente que cumpra a etiqueta respiratória: evite tossir ou espirrar para as mãos – deve fazê-lo para a prega do braço com o cotovelo fletido ou cobrir o nariz e a boca com um lenço de papel. Deite o lenço de papel de imediato num contentor de resíduos e lave as mãos de seguida;
  • Afixar nas instalações sanitárias o folheto da Direção-Geral de Saúde sobre a lavagem correta das mãos;
  • Afixar no estabelecimento normas de etiqueta respiratória e informação da forma correta de utilizar a máscara, bem como acerca do cumprimento das regras de distanciamento social;
  • Não pode ser oferecida comida, nem café/chá ou outra bebida, mesmo que dispensadas por máquinas de vending (ainda que o funcionamento destas seja admitido nos termos das disposições em vigor). No caso da água, se for mesmo necessário, pode oferecer garrafas pequenas;
  • Remover todos os itens fáceis de tocar, como revistas, tablet, informações escritas, etc;
  • As ferramentas de diagnóstico como câmara, tablet, mostruários de cores etc. só podem ser usadas pelo profissional e devem ser desinfetadas após cada utilização;
  • Pedir e informar os clientes para não tocarem nos produtos que estejam à venda (colocar aviso para não mexer): Limpar, desinfetar todas as prateleiras. Os produtos só estão limpos até alguém lhes tocar; portanto, deve estabelecer uma rotina de limpeza ou desinfeção;
  • Remover os testers. O recurso, se possível, a instruções visuais sobre os produtos pode ser útil para os clientes;
  • Solicitar pagamento preferencialmente através de métodos contactless ou cartão de crédito. Desinfete o teclado ATM com um toalhete de limpeza de base alcoólica. Se for usado dinheiro, usar um tabuleiro (que deverá ser desinfetado com um toalhete de limpeza de base alcoólica) para efetuar o pagamento e dar o troco. Lavar as mãos, antes e após o contacto com dinheiro;
  • Sensibilizar para que os clientes tragam consigo uma máscara, preferencialmente descartável, ou viseira, quando o seu uso não for incompatível com o trabalho a realizar (ex: manicura), caso o cliente não tenha nenhuma fornecer-lhe uma máscara;

Medidas específicas para os trabalhadores

  • A utilização por parte dos trabalhadores destes setores de atividade dos seguintes equipamentos de proteção individual (EPI’s) face à impossibilidade de no desenvolvimento da sua profissão manter o distanciamento de dois metros:
  1. Máscara cirúrgica, óculos de proteção ou de preferência viseiras.
  2. Roupa de utilização exclusiva dentro das instalações a vestir lavada diariamente, quando possível trocada entre clientes ou descartável, ou batas descartáveis tipo visitante em não tecido que aperta atrás com fitas no pescoço e na cintura;
  3. Calçado de uso exclusivo dentro das instalações;
  • Na realização de trabalhos com produtos mais agressivos por inalação/respiração (ex. progressivas) deve ser usada máscara de proteção superior à simples máscara cirúrgica;
  • Lavagem ou desinfeção frequente das mãos entre clientes, depois de tocar em dinheiro/cartões de crédito, sempre antes e depois de usar a casa de banho, comer, beber ou sempre que sejam mudadas as luvas de acordo com as orientações da DGS - Realizar a higiene das mãos, sempre que isso seja possível, à frente do seu cliente para mostrar que a higiene é uma prioridade.;
  • Não usar adornos tipo pulseiras, relógios e anéis, sobretudo nesta fase. Quanto às unhas - evitar as unhas de gel, gelinho e unhas compridas que impedem os profissionais de higienizar adequadamente as suas mãos;
  • Colocar, retirar e manter a máscara cirúrgica de forma correta;
  • Manter a distância de segurança também na zona de descanso do salão, onde também deverá ser instalada uma solução desinfetante para limpar todas as superfícies após o uso.
  • Cada funcionário deve ter o seu próprio equipamento (secador e escovas, por exemplo) e descontaminá-los de forma regular e periódica;
  • Devem preferir a utilização de materiais laváveis (ex: dar preferência a pentes em relação a escovas);
  • Não partilhar utensílios entre clientes. Caso não seja possível, descontaminar utensílios de uso múltiplo entre clientes (por exemplo: pentes, tesouras, máquinas de cortar), segundo as instruções do fabricante. Se a descontaminação não for possível, deverá optar-se por soluções descartáveis (uso único);
  • No caso de produtos líquidos devem preferir dispensadores que evitam a necessidade de manipulação do produto com as mãos para a sua remoção. No caso de contentores de uso múltiplo (ex: boião), lavar ou desinfetar as mãos antes de retirar o produto;
  • Preferencialmente evitar a utilização desnecessária de utensílios na face do cliente (por exemplo, para remover cabelos). ). Os utensílios que toquem na face do cliente devem ser devidamente descontaminados antes e depois da sua utilização;

Medidas específicas para os clientes

  • Higienizar as mãos, com água e sabão ou com uma solução à base de álcool, à entrada e à saída do estabelecimento;
  • Respeitar a distância entre pessoas e as regras definidas pelo estabelecimento;
  • Utilizar máscara nos espaços públicos fechados;
  • Evitar tocar em superfícies e objetos desnecessários;
  • Evitar pagamentos com moedas ou notas, dando preferência ao pagamento eletrónico e sem contacto direto (ex: terminal de pagamento automático contactless). Se tiver de pagar em dinheiro, privilegie o pagamento com o montante certo e desinfete as mãos antes e depois de tocar no mesmo;
  • Evitar ficar tempos prolongados no estabelecimento, saindo logo após o ato de pagamento;
  • Se apresentar sinais ou sintomas de Covid-19, não frequentar espaços públicos.

Medidas específicas de higienização e limpeza das instalações e materiais

  • Implementação de um plano de limpeza, higienização e desinfeção que preveja uma maior frequência para todas as superfícies principalmente as que o toque seja mais frequente (por exemplo mesa de manicura, braços das cadeiras de cabeleireiro, interruptores, manípulos de portas, terminal de Multibanco etc.);
  • Aumentar a periodicidade de higienização de todo o espaço de trabalho utilizado (bancada, calhas de lavagem), do chão e das instalações sanitárias se possível na integra e com lixívia;
  • Desinfeção dos óculos ou da viseira de proteção após cada cliente. Procedendo do seguinte modo: retira estes EPI; higieniza ou lava as mãos; depois higieniza os EPI e depois volta a higienizar as mãos;
  • Utilizar de preferência material descartável de utilização única;
  • Quando o material não for de utilização única (escovas, tesouras, pentes, limas e blocos polidores de unhas, etc.) deve-se proceder à sua lavagem após cada utilização, pode ser usado detergente da louça, seguido de desinfeção (com produtos virucidas ou álcool a 70%). O material de manicura cortante e as tesouras de corte de cabelo para além de lavado e desinfetado deve ser esterilizado de preferência por sistema a quente (temperatura acima dos 60º C);
  • Elementos como cabo dos secadores, cadeiras, calhas de lavagem e outros utensílios de uso comum a várias pessoas, devem ser desinfetados com álcool a 70% ou com toalhetes humedecidos num desinfetante compatível com os materiais e equipamentos entre utilização por cada cliente a atender;
  • Deverá existir no mínimo dois caixotes de lixo com tampa acionado a pedal revestido a saco de plástico. Um destinado aos resíduos urbanos (cabelos etc.), outro apenas para os equipamentos deproteção individual descartáveis utilizados (máscaras, luva, batas) que deverá estar revestido com saco de plástico grosso branco que deverá ser colocado no contentor do lixo diariamente, ou sempre que justifique, depois de bem fechado;
  •  A roupa de trabalho, as toalhas e os penteadores não descartáveis, serão, após terem sido usados por um único cliente, colocados em saco destinado apenas à sua recolha fechado até ser lavados na máquina de lavar roupa com recurso a desinfetante (lixivia) e a temperatura superiores a 60º C;
  • O sistema de ventilação não deve ser colocado no modo de recirculação do ar;
  • Em espaços fechados, devem-se abrir as portas ou janelas para manter o ambiente limpo, seco e bem ventilado. Caso não seja possível, assegurar o funcionamento eficaz do sistema de ventilação, assim como a sua limpeza e manutenção;
  • Manter os locais ventilados (pelo menos, 6 renovações de ar por hora), abrindo janelas e/ou portas;
  • Se for necessário de usar um sistema de ventilação de ar forçado, assegura-te que o ar é retirado diretamente do exterior e não atives a função de recirculação do ar;
  • Os sistemas de ventilação e ar condicionado devem ser sujeitos, de forma periódica, a limpeza e desinfeção;É recomendado que se desligue a função de desumidificação do sistema de ventilação e ar condicionado;
  • Deve reforçar-se a desinfeção do reservatório de água condensada e da água de arrefecimento das turbinas do ventilador.