Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Bancos portugueses estão entre os que têm menor exposição ao imobiliário comercial

Este fator poderá aumentar a resiliência das entidades financeiras nacionais à crise pandémica, segundo a DBRS Morningstar.

Autor: Redação

Os bancos portugueses são dos que têm, na Europa, as menores exposições ao imobiliário comercial, um fator que poderá aumentar a sua resiliência à crise provocada pela pandemia da Covid-19. Esta é uma das conclusões da agência de notação financeira DBRS Morningstar, que consta de uma análise publicada recentemente.

Segundo a DBRS, o imobiliário comercial cresceu de forma forte nos últimos anos, “em grande parte devido ao ambiente de baixas taxas de juro”, no entanto, nas últimas décadas, “o crédito ao imobiliário comercial contribuiu para várias falências de bancos nos EUA e na Europa”. Bancos esses que tinham grandes concentrações neste segmento ou que falharam nos critérios de constituição de garantias, escreve o Jornal de Negócios, baseando-se no documento.

A DBRS analisa, neste contexto, a exposição da banca a este setor, uma análise que foi feita com base no crédito total concedido a empresas de imobiliário comercial, por relação com o rácio de capital tier 1 e com as imparidades de crédito. Os bancos portugueses, neste campo, comparam-se favoravelmente com os restantes.

No grupo dos bancos com maior risco estão os que apresentam um rácio de exposição ao imobiliário comercial sobre o capital e as imparidades superior a 200%. A lista é liderada pelo dinamarquês Danske Bank, com um rácio de 236%. Num segundo grupo estão os bancos com rácios entre 100% e 200% e no terceiro e último grupo, onde estão todas as instituições portuguesas, encontram-se os bancos com rácios inferiores a 100%. 

O Crédito Agrícola é banco português com o maior rácio de exposição ao imobiliário comercial, com 46%. Seuem-se, por esta ordem, Montepio Geral (40%), Novo Banco (37%), Caixa Geral de Depósitos (23%) e BCP (21%).