Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

IRS Automático? É mais fácil e rápido, mas pode dar menos reembolso

Esta quarta-feira, dia 30 de junho de 2021, é o último dia para entregar a declaração.

IRS automático
Imagem de Michal Jarmoluk por Pixabay
Autor: Redação

O IRS automático é a forma mais fácil e rápida de entregar a declaração – basta verificar alguns dados e submeter. Mas esta pode não ser a mais vantajosa. Isto porque, contas feitas, o reembolso poderá vir a ser menor. No último dia em que é possível entregar o IRS – esta quarta-feira, dia 30 de junho de 2021 -, explicamos o que é preciso fazer para maximizar o valor a receber. 

Até ao momento já foram entregues 5.614.231 declarações de IRS às Finanças, menos 310.869 do que no ano passado, segundo revelam os dados do Portal das Finanças. Isto quer dizer que no último dia em que é possível entregar o IRS ainda deverá haver milhares de declações não submetidas. 

Se é o teu caso não te apresses. Podes optar pelo IRS Automático, sim, mas antes é melhor reveres a declaração e compará-la com o modelo manual para evitar que o reembolso seja menor, alertam os especialistas ouvidos pelo ECO. Note-se que quem está abrangido pelo preenchimento automático do IRS, hoje a declaração passa de provisória a definitiva, mas ainda assim é recomendado fazer todas as verificações.

Há vários casos em que é mesmo preciso estar alerta. Como, por exemplo, os contribuintes casados ou em união de facto, casos em que “a declaração automática segue o regime de tributação separada, que é tendencialmente pior”, explica Luís Leon da Deloitte ao mesmo meio. Para os casais que têm rendimentos muito diferentes poderá ser particularmente penalizador, alerta ainda. Já os não casados (solteiros, divorciados, viúvos) podem optar pelo IRS automático não esquecendo de fazer uma revisão antes do modelo 3 se tornar definitivo.

O IRS Automático pode ser a opção para muitos portugueses até porque não é comum existirem erros. Este ano, aliás, o número de contribuintes abrangidos cresceu, com o alargamento desta modalidade a alguns trabalhadores independentes, estando abrangidos quase dois terços dos contribuintes, segundo as contas do Fisco. De qualquer modo, é sempre importante verificar os dados. Caso haja erros é possível corrigi-los enviando uma declaração de substituição e pagando uma coima, no mínimo, de 25 euros.

Já os contribuintes que não estão abrangidos pelo IRS automático devem mesmo preencher a declaração até esta quarta-feira, pois caso não o façam habilitam-se a pagar uma coima.