Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

receita de imi chegará aos quatro mil milhões em 2015, dizem proprietários

em causa está a decisão do governo de, no oe2014, acabar com cláusulas de salvaguarda no imi
Autor: Redação

os proprietários estão revoltados com a decisão do governo de, no orçamento do estado para 2014 (oe2014), acabar com a cláusula de salvaguarda no imposto municipal sobre imóveis (imi), que impedia aumentos demasiado acentuados no imposto a pagar. segundo antónio frias, presidente da associação nacional de proprietários (anp), a receita com o imposto deve chegar “calmamente aos quatro mil milhões de euros” em 2015. já menezes leitão, presidente da confederação portuguesa dos proprietários (cpp), considera a situação “uma brutalidade”

citado pelo público, antónio frias marques, que comentava a ausência, na proposta de oe2014, de um prolongamento da cláusula de salvaguarda que limitava o aumento do imposto, disse que o “bolo total do imi, que era de mil e cem milhões de euros, já vai em dois mil milhões de euros”. “e chegará a quatro mil milhões de em 2015”, adiantou

para o líder da anp, esta já era uma medida esperada. “essa cláusula de salvaguarda, parece-me, acabaria naturalmente. já estávamos à espera que em 2015 pagássemos a plenitude do imposto”, frisou 

entretanto, menezes leitão adiantou que “mesmo estando prevista, esta situação não deixa de ser uma brutalidade”. “a subida do imi, como já tínhamos dito, vai funcionar como uma bomba atómica para a maior parte das famílias”, afirmou. o presidente da ccp lembrou que as subidas nas avaliações fiscais dos prédios urbanos se traduziram em aumentos “na ordem dos 1.000%”, sendo que “em alguns casos” chegou aos 8.000%. “grande parte das famílias não se apercebeu, porque este ano a subida foi apenas de um terço e a prestação foi dividida em três, em vez das duas habituais”, explicou

notícia relacionada

imi: cláusula de salvaguarda mantém-se para um milhão de famílias