Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Grécia: parlamento aprova acordo com credores e... mais austeridade

Gtres
Gtres
Autor: Redação

O parlamento grego aprovou ontem à noite o acordo assinado pelo primeiro-ministro Alexis Tsipras com os credores internacionais e que viabiliza um terceiro resgate ao país, estimado em 86 mil milhões de euros.

Segundo a TVI 24, o acordo passou no parlamento grego com 229 votos a favor, 64 contra e seis abstenções. A maioria dos deputados a votar contra (40) e todos os que se abstiveram (seis) são deputados do partido do Governo, o Syriza. Entre os deputados que votaram “não” estão o ex-ministro das Finanças , Yanis Varoufakis, a porta-voz parlamentar, Zoe Constantopoulou, e o ministro da energia, Panagiotis Lafazanis.

De referir que Alexis Tsipras não esteve presente em grande parte do debate e só falou perto do final, apelando ao voto a favor do acordo e dizendo que não queria mascarar este entendimento como algo bom, mas antes como a escolha que menos prejudicava o país. “Tive de escolher entre um acordo com o qual não concordo, um incumprimento desordeiro ou a escolha de Schäuble [ministro das Finanças da Alemanha] e sair do euro. (...) Não acreditamos [no acordo], mas estamos forçados a concordar”, referiu.

Hoje (dia 16), e depois de os gregos terem aprovado o programa de austeridade acordado entre Tsipras e os credores, é a vez do Eurogrupo e do Banco Central Europeu (BCE) se pronunciarem sobre o tema.

Manifestação violenta em Atenas

Enquanto no parlamento o acordo estava a ser votado, nas ruas de Atenas ocorreu uma das mais violentas manifestações dos últimos dois anos. Os protestos contaram com cerca de 12.500 pessoas e foram pacíficos até à chegada à praça Syntagma, em frente ao parlamento, onde um grupo se envolveu em confrontos com a polícia.

Estes manifestantes mais violentos arremessaram pedras e cocktais molotov à polícia de intervenção, que respondeu com gás lacrimogénio para os dispersar. Em minutos a praça foi evacuada e pelo menos 50 pessoas acabaram detidas, escreve a publicação.