Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Contas de portugueses no estrangeiro vão ser investigadas pelo Fisco

Autor: Redação

O Fisco vai ter acesso às contas bancárias que os portugueses tenham no estrangeiro ou num paraíso fiscal, num total de 98 países. Com o objetivo de combater a evasão fiscal, Portugal vai promover a troca automática de informações com 55 países a partir do próximo ano e em 2018 juntam-se outros 43. O tema da fuga ao pagamento de impostos tornou-se mais crítico na agenda política internacional com o escândalo do internacional Panama Papers, que apanhou poderosos e famosos de todo o mundo, incluíndo portugueses.

O Diário de Notícias, citando o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) sobre transparência fiscal, entregue ontem aos ministros das Finanças dos países do G20, diz que Portugal faz parte da meia centena de Estados e jurisdições fiscais, onde se incluem também as Ilhas Virgens Britânicas, Jersey ou a Ilha de Man, que implementam aquelas novas regras já a partir do próximo ano. 

"Com a troca automática de informação, corruptos e aqueles que fogem aos impostos nas suas jurisdições vão ter a vida muito mais dificultada", assegura o atual diretor de Estudos dos Países Europeus no Departamento de Economia da OCDE, Álvaro Santos Pereira, em entrevista ao jornal.

De acordo com o referido relatório da OCDE, "pelo menos 50 mil milhões de euros em receitas adicionais foram identificados em países que implementaram voluntariamente programas de publicação e outras iniciativas semelhantes para permitir aos contribuintes corrigir" situações de fuga ao fisco. 

O relatório da OCDE surge uma semana depois de rebentar o escândalo financeiro que já fez cair o primeiro-ministro islandês e o ministro da indústria espanhol, e revelou as ligações de centenas de líderes políticos, atores, atletas e outras figuras de renome mundial a offshores.