Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Como reorganizar as finanças em três passos (depois do divórcio)

Gtres
Gtres
Autor: Redação

A separação é sempre um momento complicado na vida de um casal. Depois desse “passo” – do divórcio – é preciso reorganizar a vida pessoal, mas também a vida financeira. Desde a casa até ao carro, passando por outros tantos investimentos em comum, há muitas coisas “em jogo” e que é preciso resolver. Hoje deixamos-te dicas para reorganizares as finanças.

Sem stresses ou discussões. A publicação Forever Young apresenta três truques que vão tornar a vida mais fácil após o divórcio. Curioso? Explicamos tudo.  

Preparar o IRS

Será preciso organizar o IRS tendo em conta os filhos, se existirem. No caso de teres filhos, e se não tiveres a guarda dos mesmos, serás considerado o titular sem dependentes – a pensão de alimentos poderá ser declarada no quadro seis do anexo H do IRS.

Se ficaste com a guarda das crianças, elas são considerados dependentes. É possível deduzir 325 euros por cada filho no IRS; se a idade for igual ou inferior a três anos a dedução pode chegar aos 450 euros. Se receberes pensão de alimentos também deverás declarar esse valor no IRS, nomeadamente no quadro 4A do anexo A. Se um casal optar por guarda conjunta, cada pai usufrui de 50% dos benefícios previstos no IRS.

Quem não tiver filhos poderá preencher o IRS em separado – deves indicar essa informação na opção do campo 3 do quadro 6 da folha de rosto da declaração modelo 3.

Ter atenção a todos os créditos

Há muitos casais com créditos requeridos pelos dois – por exemplo, na compra de casa. Encontrar uma solução que seja benéfica para ambos pode não ser tarefa fácil. A adjudicação de bens pode ser uma opção: o imóvel é declarado judicialmente a um dos membros do (ex)casal, sendo transmitido o respetivo crédito. Trata-se de um processo difícil que deve ser aprovado pelo banco ao qual o crédito foi contraído. Se o banco aceitar, o cônjuge é obrigado a pagar a parte da casa da outra pessoa – ainda assim, o valor da torna tem de ser acordado entre ambos para compensar quem não ficou com o imóvel.

Outra solução passa por vender o imóvel, se ambos concordarem.

Elaborar um orçamento familiar

Há várias coisas a considerar após o divórcio. Por exemplo, a casa onde irás viver, depois do processo de partilha de bens; os hábitos de consumo – muito provavelmente terás de apertar o cinto, para poupar mais; atualizar os seguros; colocar o foco no trabalho; e ainda investir no futuro – poderás procurar um consultor financeiro especalizado que te pode ajudar a aplicar as tuas poupanças.