Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

IRS 2019: como ainda poupar até ao final do ano

Dicas para tentar maximizar o valor do reembolso do imposto a receber no próximo ano.

Photo by Thanos Pal on Unsplash
Photo by Thanos Pal on Unsplash
Autor: Redação

O ano está a acabar, mas em matéria de IRS ainda há muito que se pode fazer. Ou melhor, ainda há tempo para que todos os contribuintes possam validar os gastos no e-fatura e maximizar o valor do reembolso a receber no próximo ano, referente aos rendimentos de 2019. Deixamos-te algumas dicas sobre aquilo que ainda podes fazer para poupar.

Desde já, e antes de qualquer outra coisa, é importante pedir fatura com o número de contribuinte. Esta é a única forma de tentar recuperar parte do valor das retenções de IRS. Depois, e apesar de o prazo para validar faturas só terminar em meados de fevereiro, é recomendável ir verificando se as despesas estão a ser agrupadas na categoria correta. Mas há mais algumas coisas que podes fazer, que agora voltamos a relembrar.

  • Despesas gerais familiares

Dedução até 35% do valor suportado por qualquer membro do agregado familiar, com limite global de 250 euros por cada sujeito passivo. Incluem despesas de eletricidade, água, telecomunicações, vestuário, entre outras. As famílias monoparentais deduzem 45% das despesas, até ao limite de 335 euros.

  • IVA de faturas

Os contribuintes podem deduzir 15% do IVA pago em despesas com reparação de automóveis, reparação de motociclos, alojamento e restauração, cabeleireiros e atividades veterinárias até ao limite de 250 euros. As deduções admitem 100% do IVA com passes de transporte público.

  • Educação

Dedução de 30% das despesas com educação e formação por cada elemento do agregado familiar pode ir até aos 1.000 euros, se as famílias tiverem jovens a estudar fora (até aos 25 anos e a mais de 50 quilómetros de casa).

  • Saúde/Seguros

Despesas são dedutíveis a 15% até um valor global anual de 1000 euros.

  • Habitação

Juros de empréstimos para habitação própria e permanente

Dedução: 15% dos juros do crédito nos contratos feitos até 31 de dezembro de 2011

Limite: 296 euros

Rendas de imóveis para habitação permanente

Dedução: 15%

Limite: 502 euros

  • Lares

A dedução é de 25%, com um limite global de 403,75 euros.