Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Herdeira da Zara escolhe Tróia para investir 50 milhões em imobiliário

Autor: Redação

O clã Ortega, além de dono de um império de moda acessível em que se destaca a marca Zara, tem vindo a apostar cada vez mais no setor imobiliário. Agora, a filha do dono da Inditex escolheu Tróia, Portugal, para realizar o próximo investimento. Através do grupo ROSP, Sandra Ortega vai aplicar 50 milhões de euros na compra de três ativos imobiliários à Sonae Capital. O objetivo da empresária espanhola é desenvolver ali um empreendimento turístico de alta gama.

O negócio foi dado a conhecer ao mercado, esta segunda-feira, num comunicado enviado pela Sonae Capital à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Através da sua subsidiária Soltroia, a Sonae Capital firmou "um contrato de promessa de compra e venda de um conjunto de ativos imobiliários sitos em Tróia (…) pelo valor global de 50 milhões de euros, com o grupo ROSP".

A escritura de compra e venda dos ativos designados de "UNOP 7, 8 e 9" será realizada assim que esteja garantido “um conjunto de condições contratuais, estando já assegurado o recebimento do montante global da transacção”.

Novo resort de luxo

A Sonae Capital revela ainda que os ativos imobiliários agora comprados pela filha de Âmancio Ortega vão integrar projeto “de elevada qualidade e baixa densidade construtiva, com uma cuidada adequação ao local, ambiente e a toda a sua envolvente”.

Para meter em marcha o novo empreendimento turístico de Tróia “serão, desde já, iniciados os contactos com as entidades locais e centrais para garantir a devida sustentabilidade do projeto”, informa a empresa, defendendo que "este investimento de referência será um importante contributo para a criação de emprego e para um desenvolvimento equilibrado do turismo na região”.

A Sonae Capital fechou os primeiros nove meses deste ano com lucros de 13,2 milhões de euros, mais 10,15 milhões do que no mesmo período de 2015. A melhoria dos resultados líquidos é explicada, tal como recorda a Lusa, com a "performance ao nível dos resultados de investimentos, no seguimento da mais-valia associada à venda das participadas Norscut e Operscut".