Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Prémios de Reabilitação Urbana entregues hoje em Lisboa

Palácio do Contador-Mor em Lisboa venceu em 2016 o prémio de melhor projeto residencial / PNRU
Palácio do Contador-Mor em Lisboa venceu em 2016 o prémio de melhor projeto residencial / PNRU
Autor: Redação

Com um número recorde de 82 candidatos, o Prémio Nacional de Reabilitação Urbana distingue-se já no setor imobiliário e da construção como uma espécie de "óscares" nacionais do que melhor se faz todos os anos em Portugal. Esta noite serão conhecidos os grandes vencedores dos projetos realizados ao longo de 2016, havendo candidaturas oriundas de 22 concelhos de todo o país, com particular destaque para o segmento residencial. A cerimónia de gala decorre no antigo Museu dos Coches, em Belém, Lisboa.

Coorganizado pela Vida Imobiliária e a Promevi, o PNRU conta com o Alto Patrocínio do Governo de Portugal, através da Direção Geral do Património Cultural, e insere-se no âmbito da Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa - da qual o idealista é nesta edição o portal oficial. Em 2017, o IMPIC, a CPCI, a Ordem dos Arquitectos, a União das Misericórdias Portuguesas, a APPII e a ALP renovaram também o seu apoio institucional ao evento.

Projetos residenciais lideram número de candidaturas

O segmento residencial (41%) continua-se a destacar-se este ano pelo maior número de projetos candidatos, seguido de comércio e serviços (25%), de equipamentos sociais (19%) e de turismo (15%). Esta tendência está em linha com as cinco edições anteriores, ao longo das quais foram validadas um total de 280 projetos de reabilitação, dos quais mais de uma centena (37,5%) são de uso residencial, ao passo que as restantes áreas de intervenção distinguidas pelo Prémio, nomeadamente comércio e serviços, turismo e impacto social , apresentam pesos semelhantes (em torno dos 20%) no total das candidaturas.

A decisão sobre os melhores projetos caberá na presente edição a um júri independente composto por João Duque, Nuno Valentim, João Pedro Falcão de Campos, Manuel Reis Campos e João Appleton.