Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Antigo Cinema Nun’Álvares dá nova vida ao Porto como clube de jazz

Depois de reabrir em 2009, o Cinema Nun’Álvares encerrou definitivamente em 2011 / Filipa Brito via Câmara Municipal do Porto
Depois de reabrir em 2009, o Cinema Nun’Álvares encerrou definitivamente em 2011 / Filipa Brito via Câmara Municipal do Porto
Autor: Redação

O antigo Cinema Nun'Álvares, no Porto – está fechado desde 2011 –, dará lugar a um espaço musical dedicado sobretudo ao jazz. O espaço, situado na Rua de Guerra Junqueiro, junto à Avenida da Boavista, abre portas este sábado (6 de abril de 2019) e o momento será assinalado com um concerto gratuito.

“Reformámos o Nun’Álvares para o seu novo uso e aproveitámos muita coisa” do que lá havia, disse o proprietário do Hot Five Jazz&Blues Club – Uptown. Segundo Alberto Índio, o contrato de arrendamento assinado com o senhorio tem a duração de 10 anos.

O espaço terá “uma lotação aproximada de 200 pessoas, com mesas e 100 lugares sentados, as cadeiras são as da velha sala de cinema e o palco também é o mesmo, em meia-lua”, situando-se diante da tela onde os filmes eram exibidos, adiantou, citado pela Lusa.

O responsável acredita que a nova sala de espetáculos preenche uma antiga lacuna, que é a ausência de estabelecimentos deste tipo numa zona essencialmente residencial, mas também com vários hotéis.

O Cinema Nun’Álvares abriu em 1959 e fechou em 2006, aparentemente vítima da abertura de numerosas salas de cinema inseridas em centros comerciais. Reabriu, ainda assim, em 2009 e, dois anos depois, encerrou por “tempo indeterminado”.

O Hot Five Jazz&Blues Club – Uptown funcionará “de quinta-feira a domingo” e é um estabelecimento homónimo do que há 13 anos abriu com o nome Hot Five, no Largo do Actor Dias. A inauguração conta com um concerto gratuito pela banda residente da casa, composta por Carlos Azevedo, na bateria, João Paulo Rosado, no contrabaixo, Ricardo Formoso, na trompete, e Miguel Santiago, na batería. Um quarteto que será acompanhado pelo músico luso-canadiano Jeffrey Davis, no vibrafone.