Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Vai nascer um mega projeto residencial para a classe média em Alcântara - 550 casas na Pedreira do Alvito

JLL Portugal
JLL Portugal
Autor: Redação

Na Encosta da Tapada, em Lisboa, vai ser desenvolvido um mega complexo imobiliário, que contempla nova habitação para a classe média portuguesa, escritórios e retalho. Em causa está um projeto de investimento de 300 milhões de euros, promovido pelo investidor internacional EMGI Group, que acaba de comprar ao BCP um dos maiores terrenos disponíveis para promoção na capital: os 14 hectares que eram da antiga Pedreira do Alvito, em Alcântara - desativada no início do século XX e que foi depois ocupada de forma ilegal. 

Com diversos projetos de reabilitação residencial em Lisboa - sobretudo localizados em zonas nobres entre a Avenida da Liberdade, as Amoreiras e a Avenida da República - este é o primeiro projeto da EMGI Group em Lisboa fora do segmento de luxo. Dos 550 apartamentos projetados para a componente habitacional, cerca de 25% serão destinados ao programa de Rendas Acessíveis, sendo os restantes colocados no mercado de venda livre e direcionados sobretudo aos compradores nacionais.

Construção nova com vistas para o Tejo e perto de Monsanto 

Em plena costa, com vistas sobre a cidade e o rio Tejo, próximo do Parque Florestal de Monsanto e com acessos aos principais eixos de entrada em Lisboa, o projeto da Encosta da Tapada prevê um programa imobiliário misto de 87.000 metros quadrados (m2) de habitação, 22.000 m2 de escritórios e 11.000 m2 de retalho, complementados por 900 lugares de estacionamento.

“Estamos a falar de um projeto estruturante para a regeneração do Vale de Alcântara, com capacidade para trazer mais de 1.000 novos residentes para a zona ocidental da capital, além de uma população flutuante muito expressiva. É um dos projetos com escala tão necessários para reter a classe média portuguesa na cidade, e que tem ainda a mais-valia de gozar de uma excelente localização”, comenta em comunicado Gonçalo Santos, Head of Development da JLL, consultora que atuou em representação do vendedor nesta transação, à semelhança do que tem acontecimento nos restantes investimentos deste promotor.

Em concreto, estará em causa a construção de dez edifícios com quatro, cinco e sete pisos à superfície e duas caves, numa uma área total superior a 121 mil m2. A zona conta com um plano de pormenor aprovado pela Câmara de Lisboa em 2015 e revisto no primeiro trimestre deste ano. 

Além de espaços verdes, prevê-se o desenvolvimento e equipamentos coletivos como uma escola e um lar de 3ª idade, estando ainda projetados novos acessos ao Bairro de Alcântara.

Projeto Encosta da Tapada lançado há 16 anos

O projeto, segundo recorda o Público, foi lançado por uma empresa com o mesmo nome em 2003, depois de esta ter comprado os terrenos por 16,5 milhões de euros aos muitos herdeiros da antiga pedreira.

Na época, diz ainda o diário, apontava-se o início das obras para esse ano ou para o seguinte, mas o terreno acabou por vir à posse do Millenium BCP, que há cerca de dois anos o pôr à venda por 34 milhões de euros, sendo agora desconhecido o valor que pagou o grupo de base chinesa pelo ativo.