Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Fundos Corum investem 133 milhões na compra de 8 edifícios no segundo trimestre

Sociedade francesa concentra-se em imóveis comerciais e faz a gestão integral dos edifícios. Em Portugal já investiu mais de 60 milhões de euros.

Photo by Christian Dubovan on Unsplash
Photo by Christian Dubovan on Unsplash
Autor: Redação

A Corum, uma sociedade francesa que gere ativos de mais de quatro mil milhões de euros e está presente em Portugal, investiu 132,7 milhões de euros na aquisição de oito edifícios, entre abril e junho, através dos seus fundos Corum Origin e Corum XL. As principais compras da Corum, cujos fundos são comercializados no mercado nacional, foram realizadas na Holanda, Itália, Reino Unido, Polónia e Noruega.

“Estas aquisições inserem-se nos planos de longo prazo dos nossos fundos. A pandemia da Covid-19 veio reforçar a nossa estratégia de investir na economia real. Estamos convencidos de que o valor dos nossos imóveis está na qualidade do arrendatário e na sua capacidade de pagar renda a longo prazo”, afirma José Gavino, diretor da Corum em Portugal, citado em comunicado.

As duas maiores operações aconteceram na Polónia, onde a Corum adquiriu um edifício no valor de quase 62 milhões de euros, onde trabalham 1.500 colaboradores da empresa de transportes DSV; e na Noruega onde comprou um edifício que alberga um concessionário e centro de assistência da fabricante de automóveis norte-americana Tesla.

“Os novos edifícios apresentam rentabilidades iniciais interessantes que chegam aos 8,48%, têm arrendatários de setores como as telecomunicações, transporte internacional de mercadorias, bricolage ou carros elétricos. São setores que mostraram grande resiliência e até crescimento durante o período de confinamento na Europa”, acrescenta.

A estratégia para escapar à crise da Covid-19

A Corum recorda que os seus fundos, que investem apenas em imóveis comerciais e que faz a gestão integral dos edifícios, já aplicaram mais de 60 milhões de euros em Portugal, onde tem uma sucursal.

Para José Gavino, "esta estratégia permite-nos uma proximidade muito grande com os arrendatários e foi esta proximidade que nos permitiu atuar de imediato quando a pandemia chegou à Europa e tomar medidas que melhor se ajustassem às necessidades dos nossos arrendatários e dos nossos acionistas. Os pedidos de diferimento ou anulação de rendas foram baixos e procurámos soluções favoráveis a ambas as partes. Outra característica Corum, que tem ajudado a amortecer os choques provocados pela Covid-19, é a grande diversificação geográfica dos imóveis e a diversificação setorial dos arrendatários. Na prática, a conhecida teoria de não colocar todos os ovos no mesmo cesto".

Os dois fundos mantiveram o pagamento de dividendos apesar da pandemia, "mantendo-se os valores próximos dos montantes pagos antes da crise", indica o comunicado. Os fundos Corum Origin e Corum XL têm mais de 50 mil acionistas a nível mundial, sobretudo na Europa.