Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Dicas para aquecer a casa no inverno sem gastar uma “fortuna” na fatura da luz

É importante controlar a temperatura do espaço em que vivemos, aconselha a Deco.

Gerd Altmann por Pixabay
Gerd Altmann por Pixabay
Autor: Redação

Aquecer a casa ou, pelo menos, torná-la mais confortável é um desafio para muitos portugueses no inverno. As paredes enchem-se de fungos, os tetos de mofo e o frio entra no lar sem pedir licença. Mas é possível tornar a casa mais quente/acolhedora, tentando contribuir, no entanto, para que a fatura da eletricidade não dispare em flecha. Damos-te algumas dicas neste artigo, preparado pela Deco – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor para o idealista/news.

Durante o inverno a minha casa fica muito húmida e fria. O resultado é sempre o mesmo: paredes carregadas de fungos, tetos cheios de mofo e toda a família enregelada. Procuramos sempre ligar o aquecedor elétrico, mas a fatura mensal da energia torna-se tão elevada que quase não a consigo pagar. O que podemos fazer? Pode o vosso Gabinete de Aconselhamento de Energia (GAE) ajudar?

Começamos por relembrar o conceito de pobreza energética que atinge cerca de 10% da população da UE e que resulta da combinação de três fatores: rendimentos baixos, faturas de energia elevadas e edifícios ineficientes. E conhecemos bem as dificuldades dos consumidores portugueses, tal como nos relatas, em manter uma temperatura agradável em casa e conseguir pagar as faturas de energia.

É importante controlar a temperatura do espaço em que vivemos: se a casa for muito fria e húmida, as paredes podem desenvolver mofo, o que pode afetar negativamente a tua saúde. É por isso primordial que mantenhas a tua casa quente no inverno (e fresca no verão), tendo sempre o cuidado de a arejar devidamente.

Deixamos-te algumas dicas para aquecer a tua casa:

  • A maneira mais fácil de economizar energia no aquecimento é manter o interior à temperatura recomendada: 21ºC durante o dia e 15-18ºC à noite. Porém no inverno tal é muito difícil. A solução mais comum será ligar o aquecimento, o que significa gastar mais energia, mas ao diminuir 1ºC poderás reduzir o consumo de energia em 6-7%;
  • Liga o aquecimento apenas quando precisas dele, para que o ambiente fique agradavelmente quente. Mas ligar o termóstato em temperaturas mais altas no início não significa que consigas aquecer a sala mais rapidamente, apenas conseguirás gastar mais energia e dinheiro;
  • O radiador e o termóstato do aquecedor devem estar sempre desobstruídos. Não é boa estratégia “escondê-los” atrás de cortinas ou móveis, já que o calor ficará como que bloqueado e o ambiente não aquecerá adequadamente. Acresce que se consumirá muito mais energia;
  • Recomenda-se que não se desligue o aquecimento durante as horas de ausência. A regra é apenas para reduzir o aquecimento, pois se desligares totalmente, a casa esfriará rapidamente, o que levará ao superaquecimento para atingir uma temperatura favorável. Reduz a temperatura, mas não abaixo de 15 graus, caso contrário o ar fica muito húmido e aumenta o risco de mofo.

No GAE da Deco poderemos analisar detalhadamente o teu problema, ajudar a gerir melhor o teu consumo de energia e informar-te, inclusivamente, sobre medidas de apoio a que poderás recorrer. Agenda já uma sessão de aconselhamento com o GAE, uma atividade do projeto – STEP (Soluções para Combater a Pobreza Energética), financiado pelo programa H2020 da UE, através do número de telefone 213 710 200 ou do email energia@deco.pt.