Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Siza Vieira galardoado com o Prémio Nacional de Arquitetura 2019 em Espanha

Ministro espanhol do Fomento, José Luís Ábalos, anunciou entrega de prémio nas redes sociais.

Centro Meteorológico da Villa Olímpica de Barcelona
Centro Meteorológico da Villa Olímpica de Barcelona
Autor: Redação

O mais premiado arquiteto português de sempre continua a somar galardões. Desta vez, o reconhecimento do trabalho de Álvaro Siza Vieira, 86 anos, chega de Espanha, onde lhe foi atribuído o Prémio Nacional de Arquitetura 2019. A entrega foi anunciada pelo ministro espanhol do Fomento, José Luís Ábalos, nas redes sociais. “Acabo de informar Álvaro Siza Vieira que foi homenageado com o Prémio Nacional de Arquitetura 2019", galardão atribuído anualmente pelo Governo de Espanha desde 1932. 

"Um arquiteto português reconhecido mundialmente, que tanto tem contribuído para a arquitetura e as cidades espanholas”, elogiava o governante do país vizinho, ao falar de Siza, que venceu o Pritzker em 1992. A decisão de atribuir o prémio foi tomada durante o II Congresso Internacional “Arte, Cidade e Paisagem”, que está a decorrer até esta sexta-feira, dia 08 de novembro de 2019, em Cuenca (Espanha) e tem Portugal como país convidado.

Álvaro Siza Vieira nasceu em Matosinhos em 1933 e estudou Arquitetura na Escola Superior de Belas Artes do Porto entre 1949 e 1955. 

Da sua interminável lista de distinções destacam-se o Prémio de Arquitetura da Associação Internacional de Críticos de Arte (1982), o Prémio de Arquitetura da Associação dos Arquitetos Portugueses (1987), a Medalha de Ouro de Arquitetura do Conselho Superior dos Colégios de Arquitectos de Espanha (1988), o Prémio Mies van der Rohe (1988) e Prémio Pritzker, da Fundação Hyatt, pelo projeto de renovação na zona do Chiado, em Lisboa (1992).

Projetos de relevo a nível internacional

É autor de inúmeros outros projetos a nível internacional, desde Nova Iorque, nos EUA, a Cabo Verde, passando por outros pontos geográficos do globo, como por exemplo a China, Brasil, itália ou Alemanha.

Em Espanha construiu, entre muitos outros edifícios, o Centro Meteorológico da Villa Olímpica de Barcelona, as casas de habitação social de Cádis, a Faculdade de Ciências da Informação de Santiago de Compostela, a Reitoria da Universidade de Alicante ou o edifício Zaida de Granada.

No seu país de origem criou verdadeiros marcos na história da arquitetura portuguesa influenciando várias gerações de arquitetos, com destaque para as Piscinas de Marés, o Museu de Arte Contemporânea de Serralves, a igreja de Marco de Canaveses, as vivendas no Bairro da Malagueira em Évora, a Faculdade de Arquitetura do Porto ou o Pavilhão de Portugal da Expo 98 em Lisboa.

Fortemente marcado pelas obras dos arquitetos Adolf Loos, Frank Lloyd Wright e Alvar Aalto, cedo Siza Vieira conseguiu desenvolver a sua própria linguagem, cheia de referências modernistas internacionais, mas também da forte tradição construtiva portuguesa.

Presidente da República felicitou Álvaro Siza Vieira

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, felicitou o arquiteto Álvaro Siza Vieira pelo Prémio Nacional de Arquitectura 2019 de Espanha, considerando que o seu trabalho lhe vale um “reconhecimento internacional notável”.

“Felicito o arquitecto Álvaro Siza Vieira pelo Prémio Nacional de Arquitectura 2019 de Espanha, atribuído pela primeira vez a um arquitecto português, por diversas obras empreendidas em várias cidades espanholas”, refere uma mensagem divulgada no site oficial da Presidência da República.

Marcelo Rebelo de Sousa, tal como relata a Lusa, salienta que com mais esta distinção atribuída pelo Governo de Espanha, Siza Vieira consegue alcançar “uma impressionante soma de prémios e distinções ao longo de várias décadas”.

“A sua forma de repensar as cidades, a intervenção na mudança e modernização dos espaços urbanos, o harmonioso equilíbrio entre a criação radical e a paisagem natural valeram a Siza Vieira um reconhecimento internacional notável”, frisa o chefe de Estado, considerando que o arquitecto é um “motivo de inquestionável orgulho para todos os portugueses”, finalizou.