Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Expansão da rede do Metro de Lisboa: arrancou ontem estudo prévio à obra da Estrela

As sondagens vão estar a cargo da Zagope. O investimento total previsto para esta fase de expansão do Metropolitano de Lisboa (que inclui outras obras) é de 210,2 milhões.

Autor: Lusa

O Metro de Lisboa iniciou esta quarta-feira, dia 08 de julho de 2020, um estudo técnico e de diagnóstico na zona do antigo Hospital Militar, na Estrela, prévio à obra do plano de expansão, nomeadamente do prolongamento das Linhas Amarela e Verde (Rato – Cais do Sodré). Em comunicado, o Metropolitano de Lisboa refere que, como as sondagens iniciadas na Estrela se realizam dentro da área do antigo Hospital Militar, não haverá qualquer perturbação na zona.

As sondagens vão estar a cargo da Zagope, Construções e Engenharia, S.A. e, de acordo com a empresa, trata-se de “um procedimento técnico de estudo e de diagnóstico prévio à obra, necessário para preparar o arranque efetivo da primeira empreitada do Plano de Expansão do Metropolitano de Lisboa”.

A “Execução da Empreitada de Projeto e Construção dos Toscos, no âmbito da concretização do Plano de Expansão do Metropolitano de Lisboa - Prolongamento das Linhas Amarela e Verde (Rato – Cais do Sodré)” é composta por dois lotes.

O lote 1 tem a ver com a execução dos toscos entre o término da estação Rato e a estação Santos, enquanto o lote 2 diz respeito à execução dos toscos entre a estação Santos e o término da estação Cais do Sodré, sendo objeto de concurso público internacional.

As propostas, já entregues, estão em análise e avaliação pelo júri do procedimento.

Como se vai expandir a rede do metro na capital

A expansão da rede do metro integra ainda o lote 3, relativo à construção de dois novos viadutos sobre a Rua Cipriano Dourado e sobre a Avenida Padre Cruz, na zona do Campo Grande, prevendo-se a ampliação da estação do Campo Grande para nascente. Neste caso, o concurso está a decorrer, com a entrega das propostas prevista para 21 de agosto.

De acordo com o Metropolitano de Lisboa, o plano de expansão tem como objetivo contribuir para a melhoria da mobilidade na cidade de Lisboa, fomentando a acessibilidade e a conectividade em transporte público, e promovendo a redução dos tempos de deslocação, a descarbonização e a mobilidade sustentável.

O investimento total previsto para esta fase de expansão do Metropolitano de Lisboa é de 210,2 milhões de euros, cofinanciado em 127,2 milhões de euros pelo Fundo Ambiental e em 83 milhões pelo Fundo de Coesão, através do POSEUR - Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos.

Em maio, o Metropolitano de Lisboa assinou o contrato para a primeira empreitada do plano de expansão da rede, num investimento de 48,6 milhões de euros. O Governo estima iniciar a obra ainda este ano.

O projeto prevê a criação de um anel envolvente da zona central da cidade, com a abertura de duas novas estações: Estrela e Santos.

O objetivo é ligar o Rato ao Cais do Sodré, obtendo-se assim uma linha circular a partir do Campo Grande com as linhas Verde e Amarela, passando as restantes linhas a funcionar como radiais - linha Amarela de Odivelas a Telheiras, linha Azul (Reboleira - Santa Apolónia) e linha Vermelha (S. Sebastião - Aeroporto).