Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Metro de Lisboa: adjudicada segunda empreitada de expansão da rede por 73,5 milhões

A obra foi adjudicada ao agrupamento complementar de empresas constituído pelas sociedades Mota Engil, Engenharia e Construção S.A. e SPIE Batignolles International.

Photo by who?du!nelson on Unsplash
Photo by who?du!nelson on Unsplash
Autor: Lusa

O Metropolitano de Lisboa anunciou a adjudicação da segunda empreitada do plano de expansão da rede para o prolongamento das linhas Amarela e Verde, num investimento de 73,5 milhões de euros que aguarda visto do Tribunal de Contas. A empreitada adjudicada prevê a “execução dos toscos entre a estação Santos e o término da estação Cais do Sodré”.

A obra tem “o prazo de execução de 960 dias de calendário, contados da data da respetiva consignação, que só poderá ocorrer após obtenção de visto prévio do Tribunal de Contas”, segundo o comunicado da empresa. O Metropolitano de Lisboa refere ainda que a empreitada, cujo concurso teve início em 12 de março de 2020, integra-se no Plano de Expansão do Metropolitano de Lisboa - Prolongamento das Linhas Amarela e Verde (Rato – Cais do Sodré).

De acordo com o documento, a obra foi "adjudicada ao agrupamento complementar de empresas (ACE) constituído pelas sociedades Mota Engil, Engenharia e Construção S.A. e SPIE Batignolles International, Sucursal em Portugal, pelo preço contratual de 73,5 milhões de euros, acrescido de IVA (Imposto sobre o Valor Acrescentado) à taxa legal em vigor”. A empresa assinala ainda que “a assinatura do contrato respetivo ocorrerá decorridos os prazos legais e a tramitação subsequente, nos termos do regime fixado no Código dos Contratos Públicos”.

O investimento total previsto para esta fase de expansão do Metropolitano de Lisboa é de 210,2 milhões de euros, cofinanciado em 127,2 milhões de euros pelo Fundo Ambiental e em 83 milhões de euros pelo Fundo de Coesão, através do POSEUR - Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos.