Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Teixeira Duarte: prejuízo aproxima-se dos 20 milhões até junho

O volume de negócios caiu 18,7% mas há atividade em contraciclo. Atividade do grupo em Portugal cresceu 2,6%.

Resultados Teixeira Duarte
Photo by Joe Holland on Unsplash
Autor: Redação

A Teixeira Duarte apresentou um prejuízo de 19,872 milhões de euros no primeiro semestre de 2021, um valor quase quatro vezes superior às perdas registadas no mesmo período do ano passado (de 5,4 milhões de euros), revelou o grupo português no relatório de contas divulgado na passada sexta-feira, dia 27 de agosto de 2021.

Este valor trata-se do resultado líquido consolidado atribuível a detentores de capital do grupo. Também os rendimentos operacionais da construtora ficaram à margem dos valores registados na primeira metade de 2020. Nos primeiros seis meses de 2021, fixaram-se nos 310,5 milhões de euros, um valor que representa uma variação homóloga de -13,9%, revela o documento.

Entre janeiro e junho, o EBITDA -  resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização - foi de 25,6 milhões de euros, quando, em igual período do ano passado, ascendeu aos 44,2 milhões de euros. Por sua vez, os gastos operacionais desceram 9,9% nos primeiros seis meses do ano, para 284,9 milhões de euros.

Os resultados financeiros da empresa ficaram praticamente estáveis, passando de 18,3 milhões de euros até junho de 2020 para 18,34 milhões de euros no primeiro semestre do corrente ano.

Construção é o principal setor de atividade da Teixeira Duarte
Photo by Scott Blake on Unsplash

Volume de negócios desce – mas há atividades em contraciclo

O volume de negócios da Teixeira Duarte apresentou uma queda de 18,7% face a junho de 2020, situando-se este ano nos 258.6 milhões de euros.

O setor de atividade do grupo que apresenta maior peso no volume de negócios até junho de 2021 é mesmo a construção (59,4%), seguida das concessões e serviços (15,6%), distribuição (10,7%), hotelaria (6,1%), imobiliária (4,2%) e automóvel (3,9%).

Todos os setores apresentaram uma descida do volume de negócios, à exceção da hotelaria, que subiu 26,3% neste período atingido os 15.852 milhões de euros, e do setor automóvel, que cresceu 25,4% fixando-se nos 9,98 milhões. As maiores quedas foram registadas no segmento imobiliário (-69%) e distribuição (-32,5%). O segmento da construção desceu 6,3% e o das concessões e serviços caiu 29,4% entre estes dois momentos.

Setor automóvel é uma aposta da Teixeira Duarte
Imagem de Free-Photos por Pixabay

Atividade em Portugal cresce 2,6%

No documento, o grupo Teixeira Duarte é claro: “Em Portugal, a atividade do grupo cresceu 2,6%, fixando-se em 135.784 milhares de euros, sendo relevante destacar o crescimento de 36,4% no setor imobiliário”. Mas não esconde que, no país, o setor da hotelaria contraiu 29,3% face ao período homólogo, refletindo ainda a situação pandémica.

No que diz respeito ao volume de negócios, em território nacional registou-se uma diminuição de 13,7% face aos primeiros seis meses de 2020, mas segundo diz o grupo no relatório “este indicador não expressa o bom desempenho do setor imobiliário do grupo neste período”.

O volume de negócios no segmento da construção no país “manteve-se ao nível do verificado no mesmo período do ano anterior, atingindo 68.786 milhares de euros nos primeiros seis meses de 2021”, refere o mesmo documento. Já no ramo imobiliário caiu 83,1% face a junho de 2020.

*Com Lusa