Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Sede do Banif e outros ativos imobiliários fora da venda ao Santander (e banco espanhol não sabia...)

Autor: Redação

O Santander Totta comprou o Banif, nos últimos dias de 2015, mas não se tornou assim no dono da sede do banco na Av. José Malhoa, em Lisboa, nem de outros ativos imobiliários em cerca de 100 milhões de euros. O proprietário é, afinal, o fundo de investimento imobiliário Property, do qual o Santander Totta tem uma participação de apenas 20%. 

O Público, que avança com esta notícia, diz que o Santander Totta foi surpreendido por esta situação, da qual só terá tido conhecimento apenas depois do fecho da operação de compra do Banif.

Vieira Monteiro, presidente do Santander Totta, terá sido informado recentemente, e depois de uma tentativa de ocupar os escritórios da sede do Banif e mudar as marcas no espaço, de que todos os locais ·afetos à exploração, incluindo a sede onde se encontrava e agências, estavam debaixo do fundo de investimento imobiliário Banif Property e, portanto, não pertenciam ao Santander", escreve o jornal.

As unidades de participação do fundo de investimento imobiliário Property são detidas em 48% pela Oitante (que recebeu activos problemáticos), estando 32% disseminadas por clientes do Banif. O Santander ficou com 20% das unidades de participação.

Em junho de 2015, segundo o diário, o valor do Property era de quase 103,8 milhões de euros, mas, retirando os empréstimos, de 26,49 milhões, o valor líquido é de 75,8 milhões.  

Veículo para vender ativos imobiliários sob polémica

O haircut de 75% e de 66% dos ativos imobiliários do ex-Banif considerados problemáticos e que ficaram para a Oitante, o veículo do Fundo de Resolução é outro ponto crítico no processo de alienação do banco. Os ativos que transitaram para a Oitante foram rejeitados pelo Santander. E estavam contabilizados no Banif por 2200 milhões.  

O objeto social deste veículo é efetuar a venda dos ativos imobiliários e de crédito vencido do ex-Banif. E à medida que isto for sendo feito haverá o desaparecimento gradual dos atuais cerca de 450 postos de trabalho, tal como diz ainda o Público.