Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

CGD deixa cair imobiliária de luxo com crédito de 278 milhões

Projeto imobiliário
The Keys, na Quinta do Lago, é o empreendimento de luxo promovido pela imobiliária insolvente / Direitos reservados
Autor: Redação

A Caixa Geral de Depósitos (CGD), principal credora da falida imobiliária Birchview, decidiu rejeitar a recuperação da empresa a quem deu um crédito de 278 milhões de euros. A promotora de um empreendimento de luxo na Quinta do Lago, no Algarve, estava em negociações com o banco público para avançar para um PER-  Plano Especial de Revitalização, mas a Caixa preferiu a sua insolvência.

O contrato do empréstimo foi assinado em maio de 2007, quando a Caixa era presidida por Carlos Santos Ferreira e tinha como vice-presidente Armando Vara, constituído arguido na Operação Marquês.

Num documento publicado no portal Citius, citado pelo Jornal de Negócios, o administrador judicial Jorge Calvete informa que "se mostra encerrada a fase das negociações sem apresentação de Plano Especial de Revitalização [PER]". 

CGD detém 93% dos créditos da imobiliária

A decisão de a CGD, que terá sido tomada já pela nova administração de Paulo Macedo, não aprovar um processo especial de revitalização e o do seu parecer favorável à apresentação de insolvência foram comunicados pelo banco do Estado no passado dia 31 de janeiro, numa reunião com as várias partes envolvidas no processo - a imobiliária Birchview, o credor CGD e o administrador de insolvência.

Isto depois de em dezembro de 2016, aquando do pedido de entrada em PER, o banco público ter-se mostravado recetivo a um acordo. Afinal, e tal como conta o diário, a Birchview não está interessada na insolvência, mas o banco público não terá outra alternativa, uma vez que a Caixa concentra a quase totalidade dos créditos reconhecidos no PER

O empréstimo representa 93% do total de 299 milhões de euros de créditos reclamados e reconhecidos a um conjunto de 39 credores, onde não há mais nenhum banco mas figura o Estado português, segundo o Correio da Manhã.

Imobiliária de luxo na trama do BPN

O banco tem uma hipoteca sobre imóveis que, acrescenta ainda o jornal, pertencem a três antigas sociedades "off-shore" apanhadas na investigação ao BPN. Aliás, a Procuradoria-Geral da República, com a ajuda da Polícia Judiciária, está a investigar créditos concedidos pela CGD, num período que vem desde 2000 – aliás, o mesmo período que está sob averiguação na comissão parlamentar de inquérito. 

A Birchview é uma "promotora de investimentos no setor imobiliário, turístico e hoteleiro, a compra e venda de imóveis, e a revenda dos adquiridos para esse fim, a administração de bens móveis e imóveis, pertencentes à sociedade ou a terceiros, a gestão de patrimónios imobiliários e a construção civil", tendo como acionista a Quintaudel, de acordo com informação que consta do Portal de Justiça apontada pelo Jornal de Negócios.

A sua atividade principal consiste, sobretudo, num único projecto: o "desenvolvimento de um projecto imobiliário turístico na Quinta do Lago, designado por ‘The Keys’".