Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Mediadores imobiliários alertam para exposição ao perigo dos profissionais do setor

"Exercer a profissão de mediador(a) imobiliário é um risco constante", diz a Associação dos Mediadores do Imobiliário de Portugal (ASMIP).

Perigos que correm os mediadores imobiliários
Foto de Alena Darmel no Pexels
Autor: Redação

A violação de uma agente imobiliária durante uma visita a uma casa na zona de Torres Vedras, nos arredores de Lisboa, deixou em choque os profissionais do setor imobiliário. A Associação dos Mediadores do Imobiliário de Portugal (ASMIP) condena o sucedido e alerta para a exposição ao perigo que estes mesmos profissionais correm. Mas há dicas que podem a ajudar a evitar estes casos, tal como explicamos aqui.

A ASMIP refere, em comunicado, que a profissional do ramo imobiliário em causa estava “no exercício das suas funções”, havendo a “agravante de acontecer [o caso] numa segunda visita, o que inexoravelmente nos remete para um possível caso de premeditação do criminoso, a par de algum eventual sentido de segurança da vítima quando já conhece o cliente”. Tal não é, segundo a associação, “de maneira nenhuma, uma garantia de isenção de perigo”. 

“Quem, como nós, exerce a atividade há muitos anos, provavelmente já tomou conhecimento de casos semelhantes, ou pelo menos de tentativas, nesse sentido, mas que não terão chegado ao conhecimento do público, e como tal não puseram o foco na necessidade de serem tomadas precauções que evitem, desde logo, as situações de vulnerabilidade em que um profissional do ramo imobiliário, feminino ou masculino, se colocam quando vão visitar imóveis, seja num lugar recôndito, ou num prédio no centro da cidade. A partir do momento em que as portas se fecham, se fica isolado do mundo, e exposto(a) às pérfidas intenções de um terceiro, tudo pode acontecer, valendo a lei do mais forte, mais preparado, e naturalmente sem escrúpulos”, lê-se na nota. 

"Exercer a profissão de mediador(a) imobiliário é um risco constante que obriga a cuidados acrescidos na prévia identificação, e qualificação dos clientes"
ASMIP

A ASMIP considera que “exercer a profissão de mediador(a) imobiliário é um risco constante que obriga a cuidados acrescidos na prévia identificação, e qualificação dos clientes”. “Todavia serão medidas úteis mas não suficientes para evitar por completo o perigo de novos e graves casos, pelo que apelamos a todos os que a exercem que evitem colocarem-se em situação de fragilidade perante desconhecidos, e que em caso de dúvida razoável procurem companhia que minimize o risco, e se possível garanta a sua segurança, sendo estes cuidados igualmente pertinentes para os clientes, que também se devem assegurar de que estão a lidar com verdadeiros profissionais, registados e em representação de empresas credíveis (…)”, acrescenta a entidade liderada por Francisco Bacelar

Perigos que correm os mediadores imobiliários
Foto de RODNAE Productions no Pexels

ASMIP disponível para dar apoio jurídico à vítima

Mostrando-se solidária “com a vítima deste execrável crime”, a ASMIP adianta que está disponível, por exemplo, para dar “apoio jurídico” à profissional em causa. E mais, diz colocar toda a sua estrutura “à disposição deste e de outros casos, passados ou futuros, que por qualquer motivo até agora estejam silenciados, e justifiquem ação penal condizente com a sua gravidade”. 

“Terminamos a reiterar a melhor atenção de todos os profissionais, e dos clientes, na necessidade de redobradas atenções nas visitas para que se evitem novos e graves casos como este”, apela.