Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Farfetch instala-se na Boavista e ocupa o BOC - o conhecido edifício do Foco

Elisabete Soares
Elisabete Soares
Autor: Elisabete Soares (colaborador do idealista news)

A Farfetch, empresa tecnológica de base portuguesa ligada à venda de artigos de luxo de diversas marcas e com grande notoriedade a nível internacional, vai instalar parte da sua atividade no renovado edifício BOC, o Boavista Office Center, na cidade do Porto. Ao idealista/news, fonte oficial da Farfetch confirmou que vão “mudar algumas áreas para o edifício da Boavista já no início de abril”. As áreas que vão mudar para este edifício - localizado na urbanização do Foco, na Avenida da Boavista -, dizem respeito à “rede de operações e suporte”.

A empresa escusa-se, para já, a avançar o número de colaboradores que vai ter a laborar no BOC, mas fontes do mercado adiantaram ao idealista/news que há ali espaço para entre 700 e 800 pessoas.

Farfetch
Farfetch

Sem revelar também o investimento feito na operação de arrendamento da totalidade do edifício, num total de 8.200 metros quadrados (m2) de área de escritórios, sabe-se que o preço de comercialização do edifício – que esteve a cargo das consultoras Cushman & Wakefield Porto e da Predibisa -, se situava em valores a partir dos 14,75 euros por m2/mês. Valores que, por regra, são sempre negociados em função das características e da duração do contrato.

Neste momento, está a decorrer a operação de acabamentos e decoração dos espaços de escritórios – conhecida no mercado como ‘fit out’ –, que ficam normalmente a cargo do ocupante dos espaços, e que se desenvolve a partir da assinatura do contrato, que, neste caso, aconteceu ainda em 2018.

Espanhola Alitlan e Nuno Barroca, os donos do imóvel

O imóvel, conhecido como edifício Santo António, era propriedade do Millennium bcp e foi comprado pela sociedade espanhola Atitlan, por um valor superior aos cinco milhões de euros. Uma venda divulgada em meados de 2017.

A aquisição do edifício pelo grupo espanhol foi realizada em parceria com o empresário português Nuno Barroca -, por sua vez, casado com Marta Amorim, filha de do empresário Américo Amorim, que faleceu em julho de 2017.

Wikimedia commons
Wikimedia commons

Para a concretização desta operação, o grupo valenciano, com investimentos em Espanha e Portugal, formou uma sociedade de direito português, a Atitlan Real Estate Porto.

Os novos proprietários iniciaram, nessa altura, a renovação total do edifício - constituído por cave, rés-do-chão e sete pisos acima do solo – com o objetivo de o colocarem em regime de arrendamento.

Uma fachada Vhils ‘travada’ pelos arquitetos

Desenhado pelo arquiteto Agostinho Ricca (1915-2010), em co-autoria com João Serôdio e Magalhães Carneiro, a renovação da fachada do edifício do emblemático chegou a ter prevista a instalação de uma peça de arte urbana, assinada pelo artista português Vhils.

Contudo, depois de a imagem da futura intervenção ter sido divulgada, nas redes sociais começaram a circular críticas à adulteração do edifício da autoria deste arquiteto modernista.

Foram muitas as reações - especialmente por parte de vários arquitetos - que se pronunciaram contra a intervenção, e apesar de a autarquia ter referido na altura que apenas licenciou, em agosto de 2017, um projeto que previa uma intervenção artística na empena do prédio, a verdade é que toda a polémica levou Vhils a desistir da instalação.

Fartech desenvolve-se para o mundo desde Leça do Balio

Atualmente a Farfetch tem atualmente 13 escritórios em todo o mundo. Em Portugal está em 4 cidades: Guimarães, Porto (Matosinhos), Braga e Lisboa. É no edifício em Leça do Balio, no Centro Empresarial da Lionesa – para onde se mudou em 2014 -, que desenvolve parte significativa da sua atividade.

Atualmente, numa área de 15 mil m2, está reunida aí nesses escritórios em Matosinhos a equipa de desenvolvimento da plataforma, serviços financeiros e gestores de contas das lojas associadas, bem como uma parte do serviço ao cliente.

Em maio de 2018, a Farfetch inaugurou o novo Centro de Produções Criativas. As novas instalações, no Avepark, parque de ciência e tecnologia de Guimarães, ficam ao lado dos escritórios originais, sendo mais amplas, com melhores condições de trabalho e capacidade para receber novos colaboradores, totalizando mais de oito mil m2.

 A par deste reforço do ‘hub’ de Guimarães, a Farfetch abriu também no ano passado um escritório em Braga, com espaço para acomodar 150 pessoas.

Fundada pelo vimaranense José Neves, a Farfetch nasceu em 2008 e hoje conta com mais de mil marcas e boutiques parceiras e 2,6 milhões de consumidores.

Recentemente, o diretor de operações da Farfetch, Luís Teixeira, destacou que a empresa tem a plataforma com o maior número de visitas mundialmente, com cerca de 20 milhões de visitas por mês, muito à frente do que qualquer ‘player’ de moda de luxo.

As primeiras contas anuais após a entrada na bolsa de Nova Iorque da Farfetch superaram as expetativas de quem acompanha a empresa em Wall Street. Para José Neves, citado pelo Público, os números de 2018 refletem um ano que foi um autêntico "blockbuster"​.

Segundo os resultados divuglados esta quinta-feira, dia 28 de fevereiro de 2019, após o fecho do mercado, a faturação bruta do ano ascendeu a 1407 milhões de dólares, batendo assim a fasquia dos mil milhões e ultrapassando em quase 55% a faturação bruta de 910 milhões de dólares de 2017.

Segundo o ranking da revista Forbes, a riqueza líquida do empresário está nos 1000 milhões de dólares, o que já tinha acontecido quando a empresa entrou na bolsa nova-iorquina em setembro de 2018. Neves detém 15% das acções, mas controla 77% dos direitos de voto, tal como recorda o diário português.