Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

bancos já leiloaram 1.550 casas penhoradas desde janeiro

comissão de monitorização da reforma do arrendamento urbano apresenta conclusõesem setembro
Autor: Redação

as pessoas estão a sentir cada vez mais dificuldade para pagar a prestação da casa, o que faz com que os bancos aumentem o stock de imóveis penhorados. uma das soluções que a banca encontra para escoar as referidas habitações é recorrer às leiloeiras. segundo o jornal i, já foram leiloadas este ano mais de 1.500 casas nestas condições, pelo que 2011 será um ano de recordes. as vantagens são, desde logo, os preços mais baixos e as facilidades na concessão de crédito

de acordo com o jornal i, os bancos estão a recorrer em força às leiloeiras para se "desfazerem" das casas penhoradas, lançando campanhas de "oportunidades" ou "saldos" e estabelecendo parcerias com empresas de mediação imobiliária. os descontos chegam a superar os 30% e os “spreads” são mais baixos, o que atrai os potenciais compradores. e os números não deixam dúvidas: desde janeiro, foram colocados em leilão 1.550 imóveis - só através das duas leiloeiras especializadas neste segmento, a luso-roux e a euro estates -, sendo que já se realizaram 22 leilões. até dezembro, o calendário já está muito preenchido

segundo ana ferro, directora comercial da luso-roux, que já levou a leilão 650 lotes, num valor aproximado de 42 milhões de euros, devem realizar-se mais "19 acções" até ao final do ano, “o que irá totalizar cerca de 30 leilões este ano"

já a euro-estates realizou 11 leilões desde janeiro, onde foram apresentados cerca de 700 imóveis de norte a sul do país. "no fim-de-semana de 21 e 22 de maio, foram levados à praça 95 imóveis para habitação e ainda 10 lojas, onde o volume total de vendas das carteiras totalizou cinco milhões de euros", disse diogo livério, director comercial da leiloeira, citado pelo jornal i

além dos leilões, estão a chegar ao mercado os imóveis penhorados judicialmente em 2008, quando os juro dos empréstimo dispararam. de acordo com o jornal i, um processo de execução judicial demora dois a três anos a ficar concluído enquanto os imóveis entregues pelos clientes aos bancos para saldar a hipoteca são muito mais rápidos