Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Lisboa: Intendente é visto como “oportunidade de negócio” para o setor imobiliário

Notícias ao Minuto
Notícias ao Minuto
Autor: Redação

A requalificação feita nos últimos anos na zona do Intendente, em Lisboa, tornou este local atrativo para investidores imobiliários, que consideram que a zona é uma “oportunidade de negócio” para reabilitar edifícios e vendê-los posteriormente ou para colocá-los no mercado de arrendamento, nomeadamente no Alojamento Local (AL).

Gonçalo Ferreira, responsável pela imobiliária ERA em Alfama/Graça, disse, em declarações à Lusa, que quando começou a trabalhar no Intendente, há 14 anos, “a procura era muito diminuta”, até porque “era uma zona para onde ninguém queria ir”. Um cenário que mudou radicalmente. “Hoje em dia é uma zona que está perfeitamente integrada em toda a zona histórica, [...] que tem uma forte procura, uma forte dinâmica e onde encontramos clientes que procuram para várias finalidades”, explicou.

Segundo o responsável, os grandes interessados na zona do Intendente são essencialmente os “investidores que procuram edifícios ou apartamentos para reabilitar e recolocar no mercado ou de venda ou para o AL”.

Os preços, esses, variam entre os 1.500 e os 3.000 euros por m2 nos imóveis por reabilitar. Já os preços dos imóveis já reabilitados vão dos 3.000 aos 5.000 euros por m2. “Face a outros bairros do centro histórico, se pensarmos em Alfama ou no Chiado, estaremos seguramente 15% a 20% abaixo dos valores que são praticados para imóveis equivalentes”, adiantou Gonçalo Ferreira, classificando a zona do Intendente como se tratando de uma “oportunidade de negócio”.

O problema, admitiu, é que a maioria dos imóveis “estão a ser colocados sobretudo para o mercado do Alojamento Local”, sendo “difícil encontrar apartamentos de [arrendamento de] longa duração nesta zona da cidade”.

De acordo com a autarquia, entre 2011 e abril deste ano, foram registados sete pedidos de licenciamento para obras de reabilitação urbana no Intendente, havendo “11 edifícios que se encontram totalmente devolutos” na freguesia de Arroios.