Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Luz verde para reabilitação de 17 bairros sociais do IHRU, num investimento de 16,3 milhões

Autor: Redação

O Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU) está a desenvolver, no âmbito do Portugal 2020, um conjunto de projetos e candidaturas para a reabilitação de 17 bairros sociais. São ao todo 1.632 fogos, na Norte do país e em Lisboa, num investimento que ultrapassa os 16,3 milhões de euros (16.335.371 euros).

É a primeira vez que o IHRU tem acesso a fundos comunitários para este tipo de projetos. Os mesmos inserem-se no âmbito dos programas de reabilitação urbana do Portugal 2020, criados em 2014 e 2015: Falamos dos planos de Ação Integrada para as Comunidades Desfavorecidas (PAICD), que visam a regeneração física, social e económica de conjuntos urbanos, onde vivem comunidades desfavorecidas e enquadram-se nas operações que integram os Planos Estratégicos de Desenvolvimento Urbano (PEDU), aprovados pelos respetivos Municípios, e dos planos de eficiência energética, que têm como objetivo aumentar a eficiência energética das habitações.

Segundo o IHRU, já estão aprovados dois dos 17 projetos. Trata-se da reabilitação do bairro social de Arcozelo, em Barcelos, e de 14 edifícios do bairro Amarelo, em Almada. Dos restantes projetos, já foram apresentadas quatro candidaturas e as restantes 11 serão entregues até ao final do corrente ano.

“O bairro de Arcozelo foi construído em 1973 e é a primeira vez em 44 anos que tem obras de reabilitação integral dos edifícios”, lê-se no comunicado do IHRU. Já os 14 edifícios do bairro Amarelo que para já serão alvo de intervenções terminaram de ser construídos entre 1980 e 1982.

“A reabilitação do parque habitacional do IHRU tem sido uma prioridade deste instituto, que é proprietário de um total de 15.512 frações, sendo 14.027 habitacionais e 1.485 não habitacionais. Assim, no sentido de garantir a sua reabilitação e conservação, o instituto já realizou nos últimos oito anos investimentos que ascendem a 45 milhões de euros”, adianta o IHRU.