Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

ADENE lança novas medidas para melhorar a eficiência energética na habitação

Alex Holyoake/Unsplash
Alex Holyoake/Unsplash
Autor: Redação

A Adene – Agência para a Energia quer acelerar a eficiência energética na habitação particular em Portugal. Depois de uma reunião com o principais "stakeholders" do setor, e das conclusões retiradas de um estudo feito aos consumidores, anunciou o lançamento de novas medidas, entre elas a melhoria do Certificado Energético, o apoio ao programa IFRRU e a criação de uma nova marca, a “CLASSE+”.

A associação de direito privado, sem fins lucrativos e de Utilidade Pública, explicou em comunicado as três principais medidas. No que diz respeito ao Certificado Energético, a ADENE vai avançar para a melhoria do seu formato e do conteúdo, para tornar mais evidente o facto da eficiência energética oferecer um bom retorno financeiro, entre outros benefícios.

Pretende ainda apostar na divulgação e contínuo apoio à implementação do programa Instrumento Financeiro para a Reabilitação e Revitalização Urbanas (IFRRU 2020), que conta com uma dotação de 1.400 milhões de euros para apoiar a reabilitação integral de edifícios e a reabilitação de zonas industriais abandonadas em todos os centros urbanos do país.

Além disso está nos planos da ADENE a criação de uma nova marca distintiva para a etiquetagem energética das janelas – a “CLASSE+” –, cujo objetivo é facilitar as opções dos consumidores e valorizar o mercado das empresas do setor. A Agência revela que a substituição das janelas por outras mais eficientes pode significar mais de cinco milhões de euros de poupança de energia por ano para as famílias.

Poucos consumidores conhecem o Certificado Energético

Do estudo de opinião realizado juntos dos consumidores sobre a forma como estes encaram as questões energéticas, foi possível concluir que apenas metade dos entrevistados já tinha ouvido falar no Certificado Energético. A ADENE quer agora melhorar estes índices de conhecimento, e consequente adesão, avançando para a própria reformulação gráfica do Certificado, melhorando as mensagens e a sua leitura. Isto com o objetivo de levar os consumidores a interiorizarem que o investimento inicial feito no certificado energético é altamente reprodutivo a prazo em termos económicos.

“Importa esclarecer que o certificado energético tem enormes vantagens,  muito superiores ao investimento inicial”, sustenta Manuel Bóia, Administrador da área de Sustentabilidade da ADENE.

O responsável adiantou que o estudo feito junto dos consumidores confirma que o certificado energético ainda é hoje solicitado, fundamentalmente, por quem procura comprar/arrendar casa, pois permite conhecer melhor a eficiência energética do imóvel e fundamentar melhor as decisões de compra/arrendamento, sendo ainda um fator de valorização do imóvel para quem o vende, caso a certificação seja elevada.