Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Preços das casas subiram 9,2% num ano, mas ritmo está a abrandar

Georgios Kaleadis/Unsplash
Georgios Kaleadis/Unsplash
Autor: Redação

Os preços das casas voltaram a subir no primeiro trimestre face ao período do ano passado, mas o aumento homólogo de 9,2% foi mais suave que o registado no trimestre anterior (9,3%). Em termos trimestrais, os preços dispararam 3,6%. Ao todo venderam-se 43.826 alojamentos entre janeiro e março, mais 7,6% que no mesmo período de 2018, mas menos que nos três trimestres anteriores.

Os dados revelados esta terça-feira (25 de junho de 2019) pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) permitem concluir que comprar casa é ainda mais caro que há um ano, mas que a subida homóloga dos preços está a desacelerar: 12,2% no primeiro trimestre de 2018, 11,2% no segundo trimestre de 2018, 8,5% no terceiro trimestre de 2018, 9,3% no quarto trimestre de 2018 e 9,2% no primeiro trimestre de 2019. 

Também o número de casas vendidas está em queda. Foram vendidos 45.619 alojamentos entre abril e junho de 2018, 45.935 entre julho e setembro de 2018, 46.421 entre outubro e dezembro de 2018 e 43.826 entre janeiro e março de 2019.

“No primeiro trimestre de 2019, foram transacionadas 43.826 habitações, mais 7,6% face ao mesmo período de 2018. Este foi o terceiro trimestre consecutivo em que se observou uma desaceleração no número de vendas de habitações, sendo aquele que registou a mais baixa taxa de variação homóloga dos últimos 4 anos”, conclui o INE. 

De referir que das 43.826 casas vendidas, as “transações de habitações existentes corresponderam a 37.436 unidades, mais 7,5% face aos primeiros três meses de 2018”. “As vendas de alojamentos novos (14,6% do total) cresceram 8,4% em termos homólogos, totalizando 6.390 habitações”, refere o INE.

Relativamente ao valor das vendas totalizou aproximadamente 6,1 mil milhões de euros no primeiro trimestre de 2019, mais 12,9% que no período homólogo (10,7%, no quarto trimestre de 2018). “Do valor total, cinco mil milhões corresponderam a transações de alojamentos existentes e 1,1 mil milhões a vendas de alojamentos novos, o que representou aumentos homólogos de 12,3% e 15,1%, respetivamente. Este foi o terceiro trimestre consecutivo em que o ritmo de crescimento do valor das transações dos alojamentos novos superou o dos alojamentos existentes”, lê-se no site do INE.