Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Altas temperaturas e confinamento fazem esgotar stock de piscinas em Portugal

Estudo da KuantoKusta revela que procura disparou 4.300% em maio, continua em alta e oferta de fornecedores é insuficiente.

Photo by Peter Idowu on Unsplash
Photo by Peter Idowu on Unsplash
Autor: Redação

As altas temperaturas, que se sentiram este ano em maio, fizeram com que a procura por piscinas montáveis ou insufláveis disparasse 4.300% durante este mês em comparação com o ano anterior. Um estudo realizado pelo comparador de preços KuantoKusta revela "uma procura nunca antes vista, impulsionada principalmente pelo confinamento e pela crescente atenção à melhoria dos espaços exteriores em casa".

Sem conseguir dar resposta à excedente procura de piscinas, e com a agravante do atraso das fábricas derivado da pandemia, a oferta dos fornecedores tem diminuído, sendo que "os stocks se encontram esgotados", informa a KuantoKusta em comunicado.

Compras para o exterior da casa disparam com a pandemia

O estudo mostra também que julho foi um mês com enorme procura, destacando-se os dias 5 a 19 de julho – coincidindo com a vaga de calor em todo o país. A categoria de acessórios associados às piscinas (escadas e coberturas) registou um crescimento de 565.51% e os produtos para tratamento das mesmas atingiram 460.70%. No topo da pesquisa estão piscinas entre 3 e 4 metros de comprimento, sendo o seu preço médio de 190 euros.

Todos os produtos relacionados com o exterior subiram desde churrasco (111.03%), máquinas de cortar relva e de limpeza (780%), acessórios jardim (832.21%) e decoração jardim (14%).  "Como já se tem vindo a verificar, nota-se uma preocupação maior dos portugueses em tornar os espaços exteriores da casa mais agradáveis”, adianta Sara Sá, diretora de marketing da empresa, citada na mesma nota.

A zona que concentra maior procura é o Norte de Portugal (Porto, Vila nova de Gaia, Braga e Guimarães), em que são os homens dos 25-34 anos que pesquisam mais, apesar de ser a faixa etária entre os 35-44 que compra mais.