Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Mais de metade dos inquilinos em Lisboa deixaram de pagar a renda durante a pandemia

Em causa estão dados de um inquérito da Associação Lisbonense de Proprietários (ALP). Luís Menezes Leitão diz que confiança dos senhorios foi "arrasada".

Photo by Robenson Gassant on Unsplash
Photo by Robenson Gassant on Unsplash
Autor: Redação

Um inquérito da Associação Lisbonense de Proprietários (ALP) revela que mais de metade dos inquilinos na capital deixaram de pagar a renda logo a partir do mês de abril e nos meses seguintes, por causa da pandemia. De acordo com a primeira edição do Barómetro "Confiança dos Proprietários", um estudo trimestral realizado pela associação, 59,1% dos proprietários de imóveis arrendados revelaram ter tido dificuldades nesta matéria, suportando a falta de pagamento das rendas nesse período.

O Barómetro ALP adianta ainda que a suspensão do pagamento de renda, mecanismo que apenas poderia ser acionado pelos arrendatários nos casos de uma quebra de rendimentos superior a 20% ou taxa de esforço do agregado superior a 35%, “foi arbitrariamente utilizada pelos inquilinos, à revelia dos preceitos da Lei n.º 4-C/2020” - regime excecional para as situações de mora no pagamento da renda devida nos termos de contratos de arrendamento urbano habitacional e não habitacional.

Os senhorios inquiridos no Barómetro ALP adiantam ainda que mais de metade dos inquilinos (56%) "simplesmente deixaram de pagar a renda, sem qualquer comunicação, nem tão-pouco os comprovativos que a lei exigia para poder deixar de ser cumprido o dever de pagamento das rendas”.

“Devido a um clima de incumprimento que a Lei nº 4-C/2020 permitiu e que o Governo fomentou, os empréstimos sem juros disponibilizados pelo IHRU, para o pagamento das rendas habitacionais, foram apenas accionados por 3,2% dos inquilinos dos proprietários inquiridos neste estudo”, garante a ALP.

Outra “preocupante conclusão” diz respeito aos níveis de incumprimento do pagamento em duodécimos das rendas cujo pagamento foi suspenso, com 52,6% dos senhorios a declararem que ainda não receberam qualquer duodécimo dos seus inquilinos (dados recolhidos até 15 de setembro). Ainda assim, três quartos dos inquiridos (74,3%) não pretende intentar qualquer ação de despejo nos próximos seis meses, optando assim por “dirimir fora dos tribunais as dívidas acumuladas pelos seus inquilinos durante a crise da pandemia”.

1% dos proprietários pensa aderir a Programas de Arrendamento Acessível

A confiança dos proprietários no mercado de arrendamento “está fragmentada”, segundo a ALP, com metade dos inquiridos a garantirem que continuarão a colocar os seus imóveis no mercado tradicional, mantendo os mesmos valores de renda (com 62,1% das respostas). Apesar disso, quase um quarto dos proprietários (22,1%) referem que terão de aumentar os preços, devido ao risco que acarreta o arrendamento.

Um quarto das respostas dos proprietários aponta, contudo, para o abandono do mercado de arrendamento: 13,1% dos respondentes afirmam que vão manter os imóveis fechados e devolutos porque não têm confiança no Estado; 12,5% a afirmar que tencionam vender os imóveis outrora colocados no arrendamento. De assinalar que apenas 1% dos inquiridos pretendem colocar os seus imóveis nos programas de arrendamento acessível do Governo.

Confiança dos proprietários "arrasada"

“Este estudo demonstra que a confiança dos proprietários foi totalmente arrasada pelas medidas implementadas pelo poder político em matéria de arrendamento na gestão da crise da Covid-19, que colocaram muitos senhorios em gravíssimas dificuldades. Como tem sido habitual, o legislador só se preocupou com as dificuldades dos arrendatários, esquecendo as dos pequenos senhorios, que deveriam ter sido igualmente protegidos", afirma Luís Menezes Leitão, presidente da ALP.

O responsável recorda, de resto, o exemplo do país vizinho, que adoptou outra solução: “em Espanha, por exemplo, a moratória das rendas só se aplicou aos grandes detentores de imóveis, não tendo sido os pequenos proprietários obrigados a concedê-la, sendo nesse caso o Estado a assumir a obrigação de subsidiar o inquilino.”